Uma semana após o acidente com avião no bairro Caiçara, na região Noroeste de Belo Horizonte, Thiago Funghi Torres, de 32 anos, e Srrael Campras dos Santos, de 33, feridos no acidente, continuam internados em estado grave na unidade de tratamento a vítimas de queimaduras do Hospital João XXIII, na capital.

A Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig) confirmou, nesta segunda-feira (28), que os pacientes vão passar por novas cirurgias ainda nesta semana.

O Acidente

Por volta das 8h da segunda-feira (21), o avião de pequeno porte caiu no cruzamento da rua Minerva com Belmiro Braga, no bairro Caiçara, a cerca de 2,5 km do aeroporto Carlos Prates, local de onde saiu a aeronave. O avião atingiu a rede elétrica e explodiu após encontrar o solo, deixando quatro mortos e incendiando três carros que estavam na via. 

O momento do acidente foi registrado em vídeo:

No último sábado (26), dezenas de moradores, que defendem o fechamento do aeródromo, fizeram uma homenagem às vítimas do acidente. O clima era de emoção e revolta.

Mobilização

Após o acidente, moradores do Caiçara se reuniram para definir ações a serem tomadas sobre o aeroporto Carlos Prates, que fica a 1,3 quilômetro de onde o bimotor caiu. Eles querem a interdição do local, que opera voos particulares e também funciona como formação de pilotos.

Nas próximas semanas, um abaixo-assinado percorrerá o comércio da região, além da coleta de assinaturas virtuais. Como plano B, o grupo vai tentar ainda audiências públicas na Assembleia Legislativa de Minas Gerais.