Ainda enfrentando um período de baixa nos estoques de sangue devido ao feriado prolongado de Carnaval e às fortes chuvas que atingiram o Estado nos últimos meses, a Fundação Hemominas tem, agora, mais um obstáculo pela frente. Com o receio das pessoas diante do avanço do coronavírus em Minas e a recomendação de ficar em casa, a tendência é que os doadores se sintam intimidados em realizar a doação.

O receio tem fundamento diante da pandemia. Em Minas, já são 14 casos confirmados da doença e outros 692 em investigação. Somente Belo Horizonte, já são cinco casos confirmados até então, sendo que dois deles são oriundos de transmissão local e comunitária. Ou seja, as pessoas contraíram a doença em contato com a população da própria cidade. 

Mas, segundo o Hemominas, não há registro de inaptidão atribuída à Covid-19. "Nosso esforço é em ressaltar que nosso público - os doadores- é prioritariamente saudável. Portanto, as pessoas não precisam ter receio em vir à Hemominas, nesse momento. E, mais do que nunca, precisamos unir forças com a população que está saudável, para que venham à Hemominas o quanto antes para uma doação de sangue e, assim, podermos manter os estoques de sangue em níveis seguros para atender às pessoas que precisam de sangue para viver", informou a fundação. 

A instituição também trabalha para esclarecer a população sobre a doença e as formas de prevenção, e mantém, em sua página, informações como os critérios de triagem para a Covid-19. Para acessar, clique aqui. 

A Hemominas reitera que seus espaços de doação de sangue são ambientes seguros.

Leia mais:
Do Carnaval à 'guerra': combate à Covid-19 faz PBH adotar medidas duras, que podem impactar economia
Zema anuncia novas medidas de contenção ao coronavírus
Home office produtivo: aprenda a se organizar para trabalhar de casa durante pandemia