O incêndio que consumia uma área verde do Parque Estadual da Serra do Rola Moça, na Grande BH, foi controlado por militares do Corpo de Bombeiros. As chamas começaram nessa terça-feira (10) e foram controladas na noite do mesmo dia.

Apesar da agilidade, o Corpo de Bombeiros estima que pelo menos 30 hectares, o que equivale a 300 mil m², foram queimados. A dimensão da devastação será contabilizada pelo Instituto Estadual de Florestas (IEF).

Para combater as chamas, foram gastos aproximadamente 50 mil litros de água, 42 brigadistas, 16 bombeiros militares e apoio da aeronave Pégasus da Polícia Militar.

Devastação

O Hoje em Dia mostrou na última quinta-feira (5) que, em menos de dois meses, a destruição causada por incêndios nas unidades estaduais de conservação e no entorno delas mais que dobrou em Minas. Só entre julho e agosto, o total de hectares que virou cinzas saltou de 1,4 mil para 3,3 mil

O Instituto Estadual de Florestas (IEF) diz que os dados estão abaixo da média histórica. No entanto, a temporada de seca, em que as queimadas são mais comuns, se intensifica a partir de setembro.

Até o momento, 338 incêndios foram registrados nas áreas verdes protegidas e próximo a elas

Estatística

Historicamente, o mês de setembro é o que mais registra incêndios florestais no Brasil. Uma das explicações é o tempo seco. Diversos estados, incluindo Minas Gerais, registram, entre agosto e outubro, o período de estiagem com as menores taxas de umidade relativa do ar.

Mas, apesar das condições naturais serem favoráveis à ocorrência e propagação de queimadas, na maioria das ocorrências, o fogo é provocado pela ação humana.

Leia mais:
Minas alugará oito aeronaves para combate a incêndios com recursos da mineração

Queimadas em unidades de conservação e no entorno delas crescem em Minas