Um incêndio de grandes proporções atingiu o Parque Estadual do Itacolomi e o município de Ouro Preto, na região Central de Minas, durante segunda (20) e esta terça-feira (21). Segundo o Corpo de Bombeiros, foi necessária uma força tarefa envolvendo militares, brigadistas do parque e o apoio de caminhões-pipa e aviões para combate aéreo das chamas.  

O fogo começou por volta das 11h de segunda, próximo ao Hospital Santa Casa da Misericórdia, e logo atravessou para o outro lado da rodovia invadindo a área de preservação do Itacolomi. Às 22h, o trabalho das equipes continuava intenso. Na manhã desta terça, os brigadistas seguiram monitorando pontos de fumaça que ainda persistiam.

Outras localidades

Além do Parque do Itacolomi, outros 16 incêndios florestais atingiram unidades de preservação ambiental nesta terça. De acordo com o Instituto Estadual de Florestas (IEF), foram registradas ocorrências nos seguintes locais:

  • Parque Estadual Lagoa do Cajueiro, no entorno da unidade em Matias Cardoso, no Norte de Minas
  • Parque Estadual Sete Salões, no entorno da unidade em Resplendor, no Vale do Rio Doce
  • Refúgio de Vida Silvestre Serra das Aroeiras, na área interna da unidade em Pedro Leopoldo, na Região Metropolitana de Belo Horizonte
  • Área de Proteção Ambiental (APA) Rio Pandeiros, na área interna da unidade em Bonito de Minas e Januária, no Norte de Minas
  • Floresta Estadual do Uaimii, na área interna da unidade em Ouro Preto, na Central de Minas
  • Parque Estadual Serra do Papagaio, na área interna da unidade em Itamonte e Alagoa, no Sul/Sudoeste de Minas
  • Área de Proteção Ambiental Alto do Mucuri, na área interna da unidade em Itaipé e Ladainha, no Vale do Mucuri
  • Parque Estadual Grão Mogol, no entorno da unidade em Grão Mogol, no Norte de Minas
  • Área de Proteção Ambiental Cochá e Gibão, na área interna da unidade em Bonito de Minas, no Norte de Minas
  • Parque Estadual Pico do Itambé, no entorno da unidade em Serro, no Vale do Jequitinhonha
  • Monumento Natural Estadual Serra da Moeda, no entorno da unidade em Itabirito, na Central de Minas
  • Parque Estadual do Biribiri, na área interna e no entorno da unidade em Diamantina, no Vale do Jequitinhonha
  • Refúgio de Vida Silvestre Rio Pandeiros, na área interna da unidade em Januária, no Norte de Minas 
  • Parque Estadual Serra do Cabral, no entorno da unidade em Joaquim Felício e Buenópolis, na Central de Minas
  • Área de Proteção Ambiental Serra do Sabonetal, na área interna da unidade em Itacarambi, no Norte de Minas
  • Parque Estadual Sagarana, no entorno da unidade em Riachinho, no Norte de Minas

Ainda conforme o IEF, até este mês, 6.330 hectares (ha) de áreas de preservação e 8.242 ha de regiões dos arredores foram atingidos por chamas.

Os bombeiros explicam que a grande quantidade de incêndios é consequência das altas temperaturas e baixa umidade relativa do ar, que são decorrentes, principalmente, da massa de ar quente que está sobre a região Central do país. A vegetação seca e a presença de ventos, que é típica do território mineiro, influenciam para que o fogo se alastre mais rapidamente.

Balanço de incêndios 

O Corpo de Bombeiros registrou 2.923 chamadas de incêndio entre 1° e 20 de setembro, excluindo os ocorridos em áreas de preservação e seus arredores. Desse número, 421 dos casos foram na Região Metropolitana de Belo Horizonte. 

Leia mais: 

Defesa Civil emite novo alerta para baixa umidade do ar em BH
Em menos de 9 meses, Minas supera a média histórica de queimadas
Qualificar transporte é uma das chaves para reduzir emissão de carbono, diz especialista