O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), afirmou, nesta terça-feira (12), que a capital estará organizada para apoiar a realização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), caso a aplicação da prova seja mantida pelo Ministério da Educação (MEC). O gestor também reforçou que ainda não há perspectivas de retorno das aulas presenciais na cidade.

"Não queremos prejudicar ninguém. É o mesmo caso do futebol. É o Brasil que tem que tomar a decisão (sobre manter ou adiar o Enem). Como sempre, a decisão nacional é complicada, confusa. Mas, se houver Enem, BH também terá", declarou, em entrevista à rádio CBN.

Segundo o gestor, neste ano os prédios municipais não foram solicitados pelo governo federal para a aplicação do teste. O transporte público estará "à disposição" dos estudantes.

Questionado se a realização do Enem não poderá aumentar o número de casos de Covid-19, caso ocorram aglomerações de alunos, nos dias 17 e 24 deste mês, Kalil afirmou que vê com preocupação a situação, mas acredita que o governo federal tenha tomado todas as precauções necessárias para que a prova seja feita da "forma mais segura possível".

Volta às aulas

O prefeito destacou que não há perspectivas para o retorno das aulas nas escolas de Belo Horizonte. Segundo ele, a cidade não vai fazer o que "não deu certo em lugar nenhum do mundo", se referindo à liberação do ensino presencial e, segundo ele, o consequente aumento das notificações do novo coronavírus. 

"Não há motivo para copiar coisa errada. As escolas estão preparadas. O plano pedagógico e de segurança está preparado, mas agora não é hora de voltar escola", disse.

Leia também:

Faculdades Promove e Kennedy realizam aulão gratuito e on-line sobre redação do Enem