Os mais de 200 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) abertos em Belo Horizonte desde o ano passado não serão fechados após a pandemia, garantiu o prefeito Alexandre Kalil, nesta terça-feira (10).

“Nós não vamos fechar nenhum leito porque não abrimos Hospital de Campanha. Colocamos tudo dentro da estrutura hospitalar da cidade”, afirmou, em entrevista à Rádio Itatiaia.

Segundo o chefe do Executivo municipal, a PBH tem verba suficiente para manter as UTIs em atividade. Além disso, ele afirmou que houveram muitas contratações para a área. 

“Nós contratamos quase dois mil profissionais de saúde. Por que vamos abrir mão disso?”, rebateu o mandatário.

De acordo com o boletim epidemiológico e assistencial dessa segunda-feira (9), a rede pública dispõe de 1.082 vagas de terapia intensiva, ante 856 em dezembro de 2019, enquanto a suplementar conta com 804.

Dos leitos exclusivos para o tratamento da Covid-19 - são 332 no SUS e 318 nos hospitais privados -, a taxa de ocupação é de 57,4%.

Leia mais:

‘Medidas duras, mas orientadas por profissionais de primeira’, diz Kalil sobre condução da pandemia
‘Não sai nem daqui 15 anos’, diz prefeito da capital Alexandre Kalil sobre Rodoanel da Grande BH