Ao menos três manifestações de trabalhadores deixaram o trânsito complicado na região Centro-Sul de Belo Horizonte nesta quarta-feira (11). Mais cedo, guardas civis municipais fecharam a avenida Afonso Pena, na Praça Sete, após assembleia que recusou a proposta apresentada pela Prefeitura de Belo Horizonte (PBH). As vias foram liberadas por volta das 13h e, uma hora depois, teve início outro protesto, desta vez na avenida Raja Gabáglia, na altura do bairro Luxemburgo, onde servidores estaduais cobram o pagamento do 13º em frente ao Tribunal de Contas do Estado (TCE-MG). A terceira manifestação aconteceu na rua Congonhas, no bairro Santo Antônio, interditando a via com um caminhão de som da Central Única dos Trabahadores (CUT), o que também provocou um nó no trânsito da região.

Conforme a BHTrans, a primeira manifestação, dos guardas civis municipais, teve início por volta das 11h30, com o fechamento da Praça Sete. Em seguida eles marcharam até a porta da PBH, ocupando parte da avenida Afonso Pena. A via foi liberada pelos manifestantes por volta das 13h, porém, os reflexos seguem sendo sentidos na região. 

TRÂNSITO AFONSO PENA
Por volta das 16h desta quarta (11) o trânsito seguia complicado na avenida Afonso Pena, no Centro de BH

De acordo com o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Belo Horizonte (Sindibel), a categoria considerou que a proposta recebida não atendia às principais reivindicações. "A proposta foi considerada insatisfatória por não contemplar a incorporação do adicional de risco ao salário-base e nem a incorporação da Gratificação por Disponibilidade Integral (GDI)", explicou o presidente do sindicato, Israel Arimar. A prefeitura ofereceu o pagamento da GDI durante as férias-prêmio na folha de pagamento. 

Além disso, a Guarda Municipal também pede um reajuste salarial de 20,23%, que seria o equivalente à recomposição salarial dos últimos anos e à expectativa de inflação até 2020. Ainda conforme o Sindibel, a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) propôs um reajuste nos salários de vale-refeição de apenas 7,20%, que seria dividido em duas parcelas: a primeira em janeiro e a segunda em dezembro do ano que vem.  

Uma nova assembleia foi marcada para a próxima terça-feira (17) e, antes disso, o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Belo Horizonte (Sindibel) deverá se reunir com o executivo para uma nova rodada de negociações. 

ato guardas municipais
Cerca de mil agentes participaram da assembleia que recusou a proposta da PBH

Procurada pela reportagem do Hoje em Dia, a assessoria de imprensa da PBH informou que não comentaria sobre o assunto, uma vez que uma coletiva de imprensa com o prefeito Alexandre Kalil (PSD), que irá tratar sobre a situação da Guarda, está marcada para acontecer às 14h de quinta-feira (12).

Segurança pública

Já por volta das 14h, um grupo de profissionais e aposentados da segurança pública estadual deu início a outra manifestação, desta vez em frente ao TCE-MG.

Conforme os organizadores, a intenção é pressionar contra a o pedido feito pelo Ministério Público (MP) pela suspensão da operação financeira que o governo de Minas tenta fazer para garantir o pagamento do 13º antes do Natal

De acordo com a BHTrans, os manifestantes deslocam em direção à Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) ocupando toda a pista no sentido bairro/Centro, causando retenções na região. 

Leia mais:
Sugestões populares de orçamento da PBH serão levadas a Kalil
Operação da Guarda Municipal mira ação de flanelinhas no Centro de BH
Guardas municipais de BH fazem paralisação de 24 horas nesta quarta