Evitar aglomerações e espaços fechados faz parte da principais recomendações para se prevenir a contaminação do coronavírus, assim como de qualquer outra virose respiratória. Por causa da pandemia, instituições de ensino têm suspendido as aulas e, algumas empresas, têm até determinado aos seus funcionários que trabalhem de casa. 

É o caso da estudante Clara Diniz, de 20 anos, estagiária de comunicação e eventos em uma empresa localizada no entorno da Praça da Liberdade. Em seu trajeto diário, ela gasta no mínimo 30 minutos de ônibus para chegar até o trabalho, mas a empresa liberou seus funcionários para trabalharem em casa. 

"Me sinto mais segura podendo trabalhar de casa, não só por causa do transporte público, mas também porque tenho muito contato com as pessoas onde eu trabalho, vejo muita gente", conta. 

Grande parte da população, no entanto, não tem como abrir mão do transporte público para trabalhar ou realizar suas tarefas diárias. Por causa disso, as gerenciadoras dos ônibus e metrô em Belo Horizonte têm planejado ações de conscientização aos usuários. 

A Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) informou que já está fazendo a divulgação de materiais informativos de prevenção da doença em seus prédios administrativos e pelas redes sociais, de acordo com orientações do Ministério da Saúde. Além disso, vai reforçar a limpeza das estações e trens, que já era realizada todas as noites. 

"Com o avanço do surto, essas medidas passam a ser intensificadas. Na Estação Vilarinho será realizada uma limpeza, exclusivamente, focada nos corrimãos. Enquanto em Eldorado haverá um revezamento entre corrimãos e as outras partes dos trens. Para que todo esse trabalho seja possível, será aumentado o quantitativo de funcionários que o realizam", informou a companhia, por nota. 

Já a Secretaria Municipal de Saúde informou que, nos próximos dias, irá lançar uma campanha preventiva sobre doenças respiratórias a ser divulgada nos ônibus de BH. "Serão utilizadas as TVs dos ônibus, a área para cartazes, além de ações de mobilização e conscientização com a ação do grupo Mobiliza SUS que fará intervenções para ensinar ações de prevenção como a lavagem correta de mãos e a etiqueta da tosse". 

Minas Gerais tem quatro casos confirmados da doença e outros 297 em investigação, mas a prefeitura da capital informou que ainda não há nenhum caso confirmado na cidade, apesar de BH ser o município com o maior no número de registros suspeitos no Estado: 115. 

Para o médico infectologista Guilherme Lima, a recomendação de se evitar o transporte público em BH deve acontecer de forma institucional assim que a cidade tiver registro confirmado da doença. "É uma tendência que a gente percebe e deve acontecer em breve se houver casos confirmados na cidade. A partir disso, a recomendação deve ser de fazer os trabalhos em casa, se assim puderem ser feitos, evitar aulas, show e também o transporte público", esclarece. 

Enquanto isso não acontece, ele recomenda que as pessoas mantenham o hábito de higienizar as mãos frequentemente e, se possível, carreguem álcool em gel na bolsa. Higienizar as mãos antes e depois de entrar no ônibus, por exemplo, é uma boa forma de prevenir a contaminação. Já para os passageiros que apresentem sintomas de doença respiratória, a orientação é que utilizem máscaras de proteção. 

Aplicativos de mobilidade

As empresas de aplicativos por mobilidade também têm se atentado ao risco de contaminação da doença nos carros, por onde passam muitas pessoas diariamente. 

A 99 informou que a responsável pela empresa, a global DiDi Chuxing, criou um fundo especial de US$ 10 milhões para apoiar os motoristas e entregadores parceiros que forem diagnosticados com o coronavírus. Além disso, a operadora disponibilizou em seu site uma página com orientações para os motoristas e passageiros sobre o que fazer, quais os sintomas e onde buscar ajuda.

Já a Cabify informou que criou "um comitê de trabalho específico para garantir o monitoramento adequado do coronavírus e ativar os protocolos internos recomendados, sempre tomando como referência as recomendações das administrações públicas dos países que atua, autoridades de saúde e organizações de referência (OMS)". 

Onde obter informações oficiais

É possível, ainda, obter informações sobre a doença por meio de canais de comunicação dos órgãos oficiais de Saúde em Minas e no Brasil. Além de manter um hotsite com informações técnicas e boletins sobre a doença, a Secretaria de Estado de Saúde também disponibiliza um número de WhatsApp para a população entrar em contato e esclarecer as dúvidas: 31 98272-0553.

O Ministério da Saúde também tem uma página específica onde divulga informações e atualizações sobre o avanço da doença no Brasil, além de manter seu Instagram abastecido com os principais esclarecimentos sobre o coronavírus. 

Leia mais:

Brasil tem 121 registros do novo coronavírus
Coronavírus: parlamentares discutem possível suspensão de atividades
Brasileiros relatam rotina na Itália após coronavírus