Mais dois casos da Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (SIM-P), doença que acomete crianças e está associada à Covid-19, foram confirmados em Minas Gerais. Até a manhã desta quinta-feira (25), 82 confirmações já foram computadas no boletim epidemiológico da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG). Outros 35 relatos seguem em investigação.

Ao todo, 237 casos foram notificados. Destes, 120 foram descartados e 69 crianças já tiveram alta. Um óbito foi confirmado em Juiz de Fora, na Zona da Mata. Além da cidade, outros 31 municípios tiveram ao menos um registro da doença.

Até semana passada, no levantamento divulgado em 16 de fevereiro, eram 227 notificações, 115 casos descartados e 80 confirmados.

Em território mineiro, a síndrome infantil foi registrada em crianças de 0 a 14 anos. Grande parte, 52,44%, foi confirmada em pacientes com idades de 0 a 4. Crianças de 5 a 9 anos representam 40,24% do total e os de 10 a 14, 7,32%.  

Meninos são os mais afetados e aparecem em 61% dos casos. Além disso, das crianças que tiveram a síndrome, 89,2% não apresentavam comorbidades.  

Sintomas

Os pacientes diagnosticados com a enfermidade podem apresentar quadro de insuficiência respiratória de forma grave, além de doença renal e insuficiência cardíaca agudas. Os principais sintomas são febre, manchas vermelhas na pele, conjuntivite, edema nos pés e nas mãos.

Onde

Belo Horizonte é a cidade com mais casos confirmados até o momento, com 29 registros. Contagem, na Grande BH, aparece na sequência, com sete. Betim, também na região metropolitana, e Montes Claros, no Norte de Minas, têm quatro.

Uberlândia, no Triângulo, tem três confirmações até o momento. Vespasiano, Ipatinga, Sete Lagoas e Nova Serrana têm dois registros cada. Outras 23 cidades, como Governador Valadares, Juiz de Fora, Santa Luzia e Teófilo Otoni, tiveram um caso. Confira a lista completa aqui.

Leia mais:
Grande BH se programa para comprar vacinas contra Covid de quatro laboratórios
O auge da crise: confiança de comerciantes despenca e shoppings podem ter onda de despejos
Belo Horizonte abre novos leitos de UTI, mas ocupação chega a 105,9%