Com a falta de chuvas, a crise hídrica cresce em Minas. Segundo o governador Romeu Zema (Novo), o problema pode evoluir e algumas regiões do Estado podem sofrer com a falta de energia elétrica a qualquer momento.

“Tenho acompanhado muito de perto a situação. A qualquer momento nós corremos risco de ter algumas regiões desabastecidas por energia elétrica. O nosso sistema está operando, hoje, no limite, apesar de todas as usinas termelétricas estarem funcionando”, afirmou.

O gestor participou, nesta quarta-feira (22), da abertura do Processo de Tombamento dos Lagos de Furnas e Peixoto. Durante a conferência, ele atualizou a situação do abastecimento de água do território mineiro.

A reportagem do Hoje em Dia procurou o governo de Minas, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) para comentar o assinto e aguarda um retorno.

Em nota, o Ministério de Minas e Energia (MME) afirmou que tem adotado diversas medidas para mitigar o impacto no setor elétrico do pior cenário de escassez hídrica da história do país. Estão sendo tomadas medidas tanto para aumentar a oferta de energia quanto para reduzir o consumo. Entre as ações estão o acionamento de mais termelétricas, importação de energia, entrada em operação de novos empreendimentos de geração e de transmissão.

Crise 

O Brasil vive a sua pior crise hídrica dos últimos 91 anos, muito em função da escassez prolongada. Por isso, autoridades vêm pedindo que a população faça o consumo de forma consciente. No início do mês, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, pediu, durante pronunciamento em rede nacional de TV e rádio, a redução de uso dos aparelhos que gastam muito, como chuveiro e ferro de passar.   

Segundo a Defesa Civil de Belo Horizonte, a previsão meteorológica indica que há chances de chuva nesta quarta-feira (22) na parta tarde. Também há possibilidade de precipitação na capital no sábado (25) e domingo (26).

Leia mais:
Anvisa determina recolhimento de lotes interditados da vacina CoronaVac