O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) informou nesta terça-feira (28) que dez novos lotes de cervejas da Backer estão contaminados. Agora, as substâncias etilenoglicol ou dietilenoglicol já foram encontradas em 41 lotes e em dez rótulos da cerveja.

Os rótulos contaminados são de Belorizontina, Backer Pilsen, Backer Trigo, Brown, Backer D2, Capixaba, Capitão Senra, Corleone, Fargo 46 e Pele Vermelha.

Confira:

Lotes Backer contaminados


O ministério segue analisando amostras de cervejas coletadas na própria fábrica e no comércio. A empresa permanece fechada e os produtos serão liberados para comercialização após análise e aprovação do Mapa. 

Segundo a Secretaria de Estado de Saúde de Minas (28), foram notificados 28 casos suspeitos de intoxicação exógena por Dietilenoglicol. Desses, 24 pessoas são do sexo masculino e quatro do sexo feminino. Quatro casos foram confirmados e os 24 restantes continuam sob investigação, uma vez que apresentaram sinais e sintomas compatíveis com o quadro de intoxicação por dietilenoglicol e com relato de exposição. Os pacientes são de Belo Horizonte, Capelinha, Nova Lima, Pompéu, São João Del Rei, São Lourenço, Ubá e Viçosa.

A morte de um paciente foi confirmada e outras três seguem em investigação. A presença da substância dietilenoglicol foi encontrada no sangue de um homem, de 55 anos, que esteve internado em um hospital de Juiz de Fora, na Zona da Mata, e morreu em 7 de janeiro.

Leia mais:
Backer suspende atividades do Templo Cervejeiro no bairro Olhos D'Água
Caso Backer: 24 pessoas já foram ouvidas no inquérito que investiga intoxicação
Sobe para 29 o número de casos suspeitos de intoxicação por dietilenoglicol com cerveja