O Ministério Público do Paraná (MPPR) denunciou, nesta terça-feira (27), sete pessoas envolvidas na morte do jogador de futebol mineiro Daniel Corrêa Freitas, assassinado no dia 27 de outubro, em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba.

Segundo o promotor, os réus tiveram diferentes participações e vão responder por homicídio triplamente qualificado (motivo torpe, meio cruel e impossibilidade de defesa da vítima), ocultação de cadáver, fraude processual, coação no curso do processo, denunciação caluniosa, falso testemunho e corrupção de menor.

Denunciados caso jogador Daniel

Promotor de Justiça João Milton Salles

“O trabalho da Polícia Judiciária foi bastante eficiente e eficaz, bem como o da perícia técnica, que trouxe laudos conclusivos e detalhados, o que possibilitou a apresentação da denúncia 30 dias após o crime", explicou o promotor João Milton Salles.

Denunciados e os crimes

Edison Brittes Júnior – homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual e corrupção de adolescente e coação no curso do processo;

Cristiana Brittes – homicídio qualificado por motivo torpe, coação do curso de processo, fraude processual e corrupção de adolescente;

Allana Brittes – coação no curso do processo, fraude processual e corrupção de adolescente;

Eduardo da Silva – homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual e corrupção de adolescente;

Ygor King – homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual e corrupção de adolescente;

David Willian da Silva – homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual, corrupção de adolescente e denunciação caluniosa;

Evellyn Brisola Perusso - denunciação caluniosa, fraude processual, corrupção de adolescente e falso testemunho.

Dos sete denunciados, apenas Evelyn Perusso não está presa. Ela ficou com o jogador durante a festa na casa noturna e Salles disse que não pretende pedir a prisão dela.

O crime

O jogador Daniel Freitas, de 24 anos, foi morto depois de uma festa em comemoração ao aniversário de Allana Brittes. A festa, segundo a Polícia Civil, começou na sexta-feira (26), em uma casa noturna de Curitiba, e terminou no sábado (27), na casa da família de Allana, em São José dos Pinhais. Ainda conforme a polícia, o jogador foi espancado na casa. As investigações apontaram que a vítima foi levada ainda com vida para o local, onde foi brutalmente morto. 

Leia mais:
Perícia aponta que jogador mineiro Daniel morreu por causa de corte no pescoço
Edison Brittes é um psicopata, diz delegado que investiga morte de Daniel Correa
Empresário que matou Daniel usava moto de traficante, carro de policial e chip de homem executado
Sétimo suspeito de envolvimento na morte do jogador Daniel é preso
Testemunha diz que Brittes mandou limpar sangue de jogador Daniel