Morreu, na madrugada desta quarta-feira (15), a possível nona vítima de intoxicação provocada por dietilenoglicol, encontrado pela Polícia Civil na cerveja Belorizontina, fabricada pela Backer. José Osvaldo de Faria, de 66 anos, estava internado no Hospital Madre Teresa desde fevereiro de 2019 com sintomas compatíveis com a síndrome nefroneural provocada pela intoxicação.

De acordo com a família da vítima, seu José tomou a cerveja em fevereiro de 2019 em seu sítio, onde já sentiu os primeiros sintomas. Ele foi internado, ficando cerca de 500 dias na UTI e foi  transferido para o quarto no fim de junho deste ano.

Durante todo o tratamento, José Osvaldo teve cinco paradas cardiorespiratórias, nove pneumonias, perdeu completamente a visão e estava com paralisia nas pernas e na face.

A família informou que procurou pela cervejaria, mas a empresa não deu retorno. À reportagem do Hoje em Dia, a Backer afirmou que não irá se manifestar sobre o assunto. 

A Polícia Civil informou que o caso de José Osvaldo está inserido no inquérito referente ao caso Backer e ele passa a ser considerado a nova vítima da intoxicação. 

Inquérito

Conforme inquérito da Polícia Civil, a intoxicação provocada pela cerveja causou a morte de oito pessoas e afetou 21. Existem outros 30 casos em análise. A investigação averiguou que havia um vazamento em um dos tanques da empresa, fazendo com que a substância usada na refrigeração contaminasse a cerveja. Onze pessoas da Backer foram indiciadas.

No último dia 10, a Justiça determinou a quebra de sigilo bancário da cervejaria e de outras quatro empresas relativas ao mesmo grupo econômico.

Leia mais:
Polícia Civil localiza 34 garrafas de cerveja Backer contaminadas em lote vago no Buritis, em BH
Vítimas da Backer recorrem de decisão judicial e acusam empresa de dilapidar patrimônio
Após seis meses de internação, vítima de intoxicação por cerveja sai do hospital; veja vídeo
Onze são indiciados por contaminação em cervejas da Backer; vazamento ocorreu na empresa