Todos os municípios de Minas estão recebendo, nos últimos 15 dias, os testes rápidos disponibilizados pelo Ministério da Saúde para verificar se houve um número significativo de pessoas no Estado que já tiveram contato com o novo coronavírus. A informação foi divulgada pelo secretário de Saúde, Carlos Eduardo Amaral, em coletiva nesta quarta-feira (20).

De acordo com a Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG), o Estado recebeu 551.500 testes rápidos, baseados na detecção de anticorpos IgM e IgG produzidos pela resposta imunológica de cada pessoa. Diferentemente do PCR (que detecta presença de material genético do vírus nas células), eles não atestam se o paciente está com a doença no momento da coleta de material.

Segundo Amaral, com o aumento da testagem, poderá haver uma mudança no número de casos confirmados no Estado – são 5.286, de acordo com boletim epidemiológico.

A SES informou que o quantitativo enviado a cada município foi definido pelo Ministério da Saúde, assim como a recomendação para a aplicação dos testes. “Cabe a cada município definir e informar qual serviço de saúde será responsável pela testagem do coronavírus, de acordo com a organização dos serviços locais e os critérios de testagem estabelecidos pela SES-MG em consonância com o Ministério da Saúde”.

Uma nota técnica publicada no final de abril pela secretaria indica que os testes devem priorizar os profissionais da saúde e da segurança pública, além de indivíduos com mais de 60 anos que apresentaram sintomas de síndrome gripal.

Até o momento, Minas contabiliza 5.286 casos e 177 óbitos confirmados de Covid-19. Questionado sobre possíveis subnotificações de prefeituras interessadas em reabrir o comércio (a reativação da economia depende do número de casos da doença), Amaral disse não crer que isso aconteça e que há muitos dados levados em conta no trabalho de mapeamento da doença.

“Além das notificações de casos suspeitos, temos também acompanhado casos diagnosticados e como esses números têm sido lançados por todas secretarias municipais. Há também o número de internações, que é fiel, pois não se interna sem passar pela plataforma do SUS Fácil. E o óbito tem notificação compulsória”, explicou.

Leitos de UTI

O governador Romeu Zema anunciou, durante a mesma coletiva, a liberação de mais 288 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Dessa forma, desde o início do enfrentamento à pandemia de Covid-19, foram 656 leitos reativados em Minas. Contando os leitos novos e anteriores à pandemia, Minas passa a ter 2.669 leitos de terapia intensiva na rede SUS.

A expansão aconteceu após um mapeamento dos leitos de UTI desativados em toda rede hospitalar do estado, ou leitos de UTI em que faltavam equipamentos.

Além desses e dos mais de 12 mil leitos clínicos, Minas conta também com um hospital de campanha montado no Expominas. O espaço foi equipado com 768 leitos de enfermaria, para desafogar a rede hospitalar no auge da epidemia.

“Estamos com um progressivo número de casos, mas, por outro lado, começamos a colher frutos do que foi a estruturação e preparação ao longo dos meses, abrindo mais leitos de terapia intensiva”, disse o secretário de Saúde.

Leia mais:
Zema anuncia escala de pagamento para servidores; primeira parcela será quitada na sexta-feira