O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse, nesta sexta-feira (22), que o governo não deixará “milhões de pessoas” passando fome para tirar dez em política fiscal e zero em assistência aos mais frágeis. 

A declaração foi dada durante entrevista coletiva, concedida ao lado do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), para tratar sobre o teto de gastos referente ao programa social Auxílio Brasil, que deve pagar R$ 400 aos mais carentes. 

“O teto é um símbolo de compromisso com as gerações futuras. Mas nós não vamos deixar milhões de pessoas passarem fome para tirar dez em política fiscal e tirar zero em assistência aos mais frágeis. Deixa gastar um pouco mais”, disse.

Também durante a coletiva, Bolsonaro defendeu o valor do auxílio e disse que “não haverá aventuras”. No entanto, reafirmou a intenção de pagar R$ 400 mensais aos caminhoneiros autônomos, anunciada nessa quinta-feira. 

“Esse valor decidido por nós tem responsabilidade. Não queremos colocar em risco nada no tocante à economia”, concluiu. O presidente também afirmou que confia “absolutamente” em Guedes. 

Leia mais:
Ao vivo: Bolsonaro se reúne com o ministro Paulo Guedes
Bolsonaro defende auxílio para caminhoneiros; classe afirma que valor não supre necessidades
Ministro da Economia diz que União usará R$ 30 bilhões fora do teto para arcar com Auxílio Brasil