A Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) desistiu das negociações para a compra da vacina russa Sputnik V e segue em busca de alguma proposta com entrega rápida e garantias de que o imunizante vai chegar ao município.

Em nota, o Executivo informou que o fundo responsável por negociar a aquisição só poderia disponibilizar qualquer quantidade a partir de setembro. "E ainda exigia pagamento antecipado de 50% do valor sem garantias de entrega, ficando sob responsabilidade da PBH todo o custo do transporte da Rússia para o Brasil. Por esse motivo as negociações não progrediram".

As negociações tiveram início em março deste ano e a intenção era adquirir 4 milhões de doses que custariam cerca de R$ 224 milhões. 

Na noite da última sexta-feira (4), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou a importação, ainda que sob determinadas condições, das vacinas Covaxin e Sputnik V, ambas contra Covid-19. 

A autorização de importação excepcional abrange apenas quantidades predeterminadas de cada imunizante. O órgão não permitiu o uso emergencial desses compostos químicos, mas apenas a utilização de quantitativos específicos sob condições controladas. No caso da Sputinik, a agência decidiu emitir a liberação após ter feito novas inspeções em fábricas na Rússia e ter recebido novos documentos por parte dos estados requerentes. 

Ainda de acordo com a PBH, para ampliação do público e abertura de grupos é imprescindível que novas remessas de vacinas sejam entregues pelo Ministério da Saúde. "A prefeitura reafirma a disponibilidade de pessoal e de todos os insumos necessários para a imediata continuidade do processo".

Leia Mais:
Covid-19: Fiocruz chega a 50 milhões de doses de vacinas entregues
Professores do ensino superior celebram vacinação contra a Covid-19; confira vídeo
Em busca da imunização contra Covid nos EUA, mineiros pagam cerca de R$ 20 mil por viagens