incêndio no Parque Nacional da Serra do Cipó, em Santana do Riacho, na região Central de Minas, continua descontrolado na manhã deste sábado (12). Apesar dos esforços dos brigadistas para cessar o fogo que se alastra há quatro dias, durante a madrugada surgiu um novo foco. As visitações continuam suspensas

Representante do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Leandro Chagas esclarece que subiu para três as áreas afetadas pelo incêndio, sendo elas o vale do rio Mascarenhas, a região sul, no rio da Garça e, agora, o setor norte. As forças de combate estavam concentradas no vale do rio Mascarenhas, onde estão localizados o Cânion das Bandeirinhas e a Cachoeira da Farofa, no entanto, os esforços foram direcionados para o setor norte. “Com a atuação ininterrupta no combate às chamas, o fogo no Cânion foi bastante debelado. Assim, a atuação dos brigadistas está em conter o novo foco”, frisa. 

A expectativa é de que, ainda na manhã deste sábado, a região do setor norte, onde se localizam a Cachoeira Congonhas e a Pedra do Elefante, não seja mais uma preocupação. “Com o controle, o combate volta para a região sul, no rio da Garça”. O setor do Garça é mais uma área que está sendo consumida pelo incêndio. 

Entenda

As chamas tiveram início na última terça-feira (8), fora da área de preservação, em Itabira, também na região Central do Estado, e acabaram invadindo o parque na tarde de quarta-feira (9). Até o momento, cerca de 3.500 hectares foram afetados, o que corresponde a, aproximadamente, 10% de toda a área de preservação.

Cerca de 54 brigadistas atuam no combate às chamas de forma ininterrupta, inclusive durante o período noturno. Equipes de prevenção de incêndio de outros parques nacionais, como Sempre Vivas, Caparaó e Canastra, estão na Serra do Cipó para auxiliar nos trabalhos e voluntários também têm chegado para colaborar com as ações. 

Com o apoio do Corpo de Bombeiros e da Polícia Militar, duas viaturas e um helicóptero estão dando assistência no transporte de equipes, equipamentos e mantimentos. Além disso, dois aviões Air Tractor do ICMBio estão em atividade. 

Turistas

Diante do incêndio de grandes proporções turistas que adquiriram pacotes ou agendaram hospedagem para a região neste feriado têm o direito de requisitar a restituição dos valores ou o reagendamento da data, de acordo com o Procon do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG).

Leia mais:
Com Serra do Cipó em chamas, turistas podem cancelar hospedagem e receber valor de volta
Incêndio de três dias já consumiu cerca de 10% do Parque Nacional da Serra do Cipó, que está fechado
Desmatamento na Amazônia já cresceu 93% neste ano, aponta Inpe
Incêndio em vegetação atinge casas do bairro Perobas, em Contagem; veja as imagens