Em apenas 15 dias, a ocupação de leitos em enfermaria e Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) por pacientes com Covid em hospitais particulares da capital subiu 100%. De acordo com a prefeitura, essa foi a primeira vez, desde o início da pandemia de Covid-19, em março, que a taxa subiu de forma tão exponencial.

A informação foi repassada nesta quarta-feira (25) pelo secretário municipal de Saúde (SMSA), Jackson Machado, durante entrevista coletiva que anunciou endurecimento da punição aos comerciantes que descumprirem normas sanitárias na metrópole. O cenário atual, segundo ele, indica que as classes A e B estão sendo mais acometidas pelo novo coronavírus. A faixa etária mais atingida é de 20 a 40 anos.

O titular da pasta afirma que a pressão sobre os leitos de hospitais privados é muito maior do que na rede do Sistema Único de Saúde (SUS) da capital. “É um indicador muito claro para nós que as pessoas mais acometidas hoje são as das classes que estavam mais resguardadas no início da pandemia. São pessoas mais favorecidas socioeconomicamente e que estavam em distanciamento social, mas por algum motivo ‘chutaram o pau da barraca’ e estão saindo para festas”, explicou Jackson Machado.

Ainda de acordo com o secretário, relatos de confraternizações particulares em prédios e festas clandestinas em espaços que deveriam estar fechados se tornaram comuns nos últimos dias. “Não há dúvida de que essas aglomerações estão causando o aumento de casos (de Covid-19)”, destacou.

Leia Mais:

Kalil diz que tem dinheiro em caixa para comprar vacina contra a Covid para os moradores de BH
Pesquisadores da UFMG projetam 21 mil mortes em Minas por Covid até o fim do ano
‘Nós não vamos fechar a cidade, ainda’, afirma prefeito Alexandre Kalil