Neste domingo (7), a operação de buscas pelas vítimas do rompimento da barragem B1, da mina Córrego do Feijão, da Vale, completa 73 dias consecutivos. Ao todo, 128 militares do Corpo de Bombeiros atuam na operação em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, divididos em 24 frentes de trabalho.  

De acordo com a corporação, a previsão para o dia é de sol e aumento de nuvens durante a manhã e pancadas de chuva na parte da tarde e noite. Além da força humana, 97 máquinas pesadas também são usadas nos trabalhos. Três cães farejadores completam a equipe atuando no local da tragédia, sendo um deles oriundo do Distrito Federal e dois de Goiás. 

O foco dos trabalhos neste domingo é a melhoria dos acessos à área do terminal rodoviário, conhecida como "Pera", com o objetivo de permitir trabalhos nas partes mais centrais desta região. Outro ponto importante dos trabalhos é a intensificação dos maquinários nas áreas das "baias" para acessarem a terceira baia, ponto onde existe a suspeita de encontro de um corpo. 

Além disso, ainda segundo o Corpo de Bombeiros, foram retomados os drenos na área central do Remanso 3, visando possibilitar a passagem dos cães. Ainda neste domingo, os militares utilizarão drones para visualizar as áreas de trabalho. 

224 corpos identificados

Neste sábado (6), a Defesa Civil de Minas Gerais havia informado que o número de mortos identificados na tragédia da Vale subiu para 224. Outras 69 vítimas continuam desaparecidas e 395 atingidos foram localizados. 

Não há qualquer previsão para fim das buscas na região. 

Leia mais:
'Vamos ampliar o olhar sobre barragens', diz presidente do Crea-MG
Justiça obriga Vale a comprovar estabilidade de duas barragens em Itabira
Índios atingidos em Brumadinho fecham acordo com a Vale
Após revolta da população, Prefeitura de Brumadinho cancela aumento de até 150% no preço dos túmulos