Medidas mais rigorosas para tentar frear o avanço da Covid-19 começam a ser adotadas em 60 cidades de Minas Gerais nesta quinta-feira (4). Em duas macrorregiões do Estado, Triângulo do Norte e Noroeste, haverá toque de recolher entre 20h e 5h e outras restrições na circulação de pessoas. As ações fazem parte da nova fase do Minas Consciente, programa de flexibilização da atividade econômica, e foi denominada como onda roxa.

A determinação foi aprovada e divulgada nessa quarta-feira (3) pelo governo. Até então, o plano tinha três fases: vermelha (mais restritiva), amarela (intermediária) e verde (mais ampla). A roxa é ainda mais rígida do que a vermelha. (Confira abaixo o que diz cada uma delas). 

Hoje, no Estado, oito macrorregiões estão na faixa vermelha e quatro na amarela. Porém, outras três regiões – Norte, Triângulo do Sul e Leste do Sul – também estão em estado de alerta e poderão ser incluídas na onda roxa, caso apresentem piora nos indicadores. Juntas, elas englobam 166 municípios. Sul e Vale do Aço regrediram da onda amarela para a onda vermelha do Minas Consciente.

Desde ontem, circula nas redes sociais um vídeo em que o governador Romeu Zema anuncia medidas de combate à pandemia para todos os 853 municípios mineiros, assim como a limitação da circulação de ônibus de outros estados. As imagens, porém, são de março do ano passado, quando o representante do Executivo estadual decretou calamidade pública e restrições ao comércio, transporte e educação em Minas. Veja o vídeo.  

Confira as medidas que estão válidas em Minas em março de 2021:

Onda roxa

As regras para as cidades que estiverem na onda roxa incluem a proibição de circulação de pessoas sem o uso de máscara de proteção, em qualquer espaço público ou de uso coletivo, ainda que privado; a proibição de circulação de pessoas com sintomas gripais, exceto para a realização ou acompanhamento de consultas ou realização de exames médico-hospitalares; a proibição de realização de reuniões presenciais, inclusive de pessoas da mesma família que não coabitam; além da realização de qualquer tipo de evento público ou privado que possa provocar aglomeração, ainda que respeitadas as regras de distanciamento social.

Nessa fase, só será permitido o funcionamento de serviços essenciais e a circulação de pessoas fica limitada aos funcionários e usuários desses estabelecimentos. O deslocamento para qualquer outra razão deverá ser justificado e a fiscalização será feita com o apoio da Polícia Militar.

Os serviços não essenciais poderão funcionar sem atendimento ao público, em sistema de delivery e venda on-line, respeitando o limite de horário do toque de recolher. As pessoas que estiverem se deslocando para o trabalho, em serviços essenciais, deverão portar carteira profissional ou funcional ou crachá ou contrato de trabalho ou qualquer outro documento idôneo que justifique o vínculo trabalhista.

São considerados serviços essenciais:

  • Setor de alimentos (excluídos bares e restaurantes, que só podem via delivery);
  • Serviços de Saúde (atendimento, indústrias, veterinárias etc);
  • Bancos;
  • Transporte Público (deslocamento para atividades essenciais);
  • Energia, Gás, Petróleo, Combustíveis e derivados;
  • Manutenção de equipamentos e veículos;
  • Construção civil;
  • Indústrias (apenas da cadeia de Atividades Essenciais);
  • Lavanderias;
  • Serviços de TI, dados, imprensa e comunicação;
  • Serviços de interesse público (água, esgoto, funerário, correios etc)

Cidades em onda roxa

Triângulo do Norte - 27 municípios: Abadia dos Dourados, Araguari, Araporã, Cachoeira Dourada, Campina Verde, Canápolis, Capinópolis, Cascalho Rico, Centralina, Coromandel, Douradoquara, Estrela do Sul, Grupiara, Gurinhatã, Indianópolis, Ipiaçu, Iraí de Minas, Ituiutaba, Monte Alegre de Minas, Monte Carmelo, Nova Ponte, Patrocínio, Prata, Romaria, Santa Vitória, Tupaciguara, Uberlândia
Noroesta - 33 municípios: Arapuá, Arinos, Bonfinópolis de Minas, Brasilândia de Minas, Buritis, Cabeceira Grande, Carmo do Paranaíba, Chapada Gaúcha, Cruzeiro da Fortaleza, Dom Bosco, Formoso, Guarda-Mor, Guimarânia, João Pinheiro, Lagamar, Lagoa Formosa, Lagoa Grande, Matutina, Natalândia, Paracatu, Patos de Minas, Presidente Olegário, Riachinho, Rio Paranaíba, Santa Rosa da Serra, São Gonçalo do Abaeté, São Gotardo, Serra do Salitre, Tiros, Unaí, Uruana de Minas, Varjão de Minas, Vazante.

Ondas vermelha, amarela e verde

Na terceira fase do programa Minas Consciente, todas as atividades ficam permitidas nas três ondas (verde, amarela e vermelha), desde que cumpram algumas regras, como distanciamento e limitação máxima de pessoas.

Em Belo Horizonte

Belo Horizonte não irá recuar na flexibilização das atividades mesmo com o avanço da Covid-19 no município. A decisão foi tomada após reunião do prefeito Alexandre Kalil (PSD) com o Comitê de Enfrentamento à Pandemia da capital, realizada ontem (3).

"A cidade não vai sofrer nenhuma mudança em seu comportamento" , afirmou Jackson Machado Pinto, Secretário Municipal de Saúde.

Conforme o secretário, a única alteração diz respeito ao planejamento para a volta às aulas de crianças entre 0 e 5 anos. A expectativa era que as escolas pudessem receber esses alunos a partir de segunda-feira (8), mas o retorno foi adiado. Uma nova reunião do comitê, na próxima semana, voltará a discutir o tema.

Leia mais:
Cinco estados somaram 449 casos de feminicídio em 2020, aponta estudo
Fhemig abre chamamento emergencial para contratação de médicos no Hospital Júlia Kubitschek
Estado impõe toque de recolher a 60 municípios do Triângulo; em BH, lojas permanecem abertas
Toque de recolher e veto a gripados: infectologista analisa novas 'táticas' de combate à Covid