A Prefeitura de Belo Horizonte informou nesta segunda-feira (30) que está executando obras de grande porte para prevenção de enchentes em Venda Nova, região que historicamente registra vários estragos durante os temporais.

De acordo com a Superintendência de Desenvolvimento da Capital (Sudecap), no ano passado foram iniciadas as intervenções de tratamento de fundo de vale e controle de cheias nos córregos Lareira e Marimbondo, afluentes do córrego do Nado, sendo a primeira etapa das obras. Agora, estão sendo feitas redes de drenagem e interceptoras de esgoto, urbanização e construção de duas bacias. A expectativa é de que, ao regular as vazões dos córregos Marimbondo e Lareira, melhora-se a capacidade de escoamento do córrego Vilarinho. Nesta fase estão sendo investidos aproximadamente R$ 40 milhões, com recursos repassados pelo Programa de Aceleração do Crescimento e contrapartida do Fundo Municipal de Saneamento.

Ainda segundo a Sudecap, também está em andamento a implantação de uma estrutura hidráulica de captação dos escoamentos superficiais no emboque do Ribeirão Isidoro, localizado na avenida Vilarinho com ruas Doutor Álvaro Camargos e Maçom Ribeiro. Nesta segunda etapa está prevista a construção da caixa de captação, com área aproximada de 2.500 m² e volume da ordem de 10 mil m³ (10 milhões de litros), com investimento de aproximadamente R$ 10,5 milhões.

“Essa segunda fase, por exemplo, é como se fosse uma grande caixa d´água, um tipo de piscinão que vai captar água de chuva que vem sobre a pista alagando justamente nesse ponto e que voltará para o Ribeirão Isidoro. Quando os grandes reservatórios ficarem prontos, nós vamos conseguir armazenar e depois escoar, quando a chuva passar,  um volume de aproximadamente 115 milhões de litros de água cada um, mas esta será uma terceira fase a ser feita”, explica Henrique Castilho, superintendente da Sudecap. 

Na terceira etapa, serão feitos reservatórios profundos chamados de Nado I e Vilarinho II, cada um com uma capacidade prevista de 115 mil m³. Em setembro foi assinado um convênio entre a PBH e a Caixa Econômica Federal que garante R$ 200 milhões para obras nas bacias hidrográficas dos córregos Vilarinho, Nado e do Ribeirão Isidoro. 

Atualmente, o empreendimento encontra-se em fase de estudos e elaboração de projetos técnicos de engenharia para obras de micro e macrodrenagem, desapropriações, além de indenizações de benfeitorias e terrenos necessários para liberação de área para obras.

Em 2020, capital mineira registrou o janeiro mais chuvoso da história e, ao longo do mês, diversos temporais castigaram a cidade, causando 13 mortes, enchentes, deslizamentos de terra e destruição de ruas e avenidas.