Um homem foi preso em flagrante suspeito de falsificar e vender a famosa cachaça mineira Havana, nesta sexta-feira (2). No mercado, uma garrada da bebida original, de 600ml, é avaliada em mais de R$ 2 mil. A detenção ocorreu durante a operação "Veneno", deflagrada pela Polícia Federal (PF).

Após denúncia, a corporação iniciou as investigações e identificou que a adulteração ocorria em um imóvel no bairro Caiçara, na região Noroeste de Belo Horizonte.

A Justiça expediu três mandados de busca e apreensão. No imóvel, os policiais aprenderam 70 garrafas e quatro galões com a cachaça falsificada, selos de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), rótulos e cerca de R$ 20 mil em dinheiro.

"As investigações, iniciadas há dois meses, identificaram que a falsificação era ampla, envolvendo selo, rótulo e tampa do produto, além da própria bebida", destacou a PF.

Além da falsificação, o suspeito também poderá responder por corrupção, adulteração ou alteração de substância ou produtos alimentícios. Se condenado, poderá pegar até oito anos de prisão.

Leia também:
Grammy Latino: Filarmônica de Minas Gerais disputa prêmio na categoria de melhor álbum clássico
Ministério Público investiga se PBH cometeu irregularidades ao cassar alvarás de escolas