A polícia procura, nesta segunda-feira (13), o motorista da BMW X1, que atropelou e matou uma mulher de 47 anos nesse fim de semana na avenida Raja Gabáglia, no bairro São Bento, região Centro-Sul de Belo Horizonte. Após o crime, ele fugiu sem prestar socorro. Investigadores da Divisão Especializada em Prevenção e Investigações de Crimes de Trânsito realizam levantamento nas ruas em busca do suspeito. 

No dia do atropelamento, sábado (11), algumas testemunhas chegaram a anotar a placa do veículo, avaliado em cerca de R$ 200 mil, e passaram a informação para os policiais. Elas também informaram que chegaram a ver o carro, logo após crime, com a frente amassada, em alta velocidade e em conversão em local proibido, momento em que quase houve o atropelamento de outras duas pessoas. Em seguida, o veículo teria seguido no sentido Belvedere. 

Antes de ser atropelada,  ​Jerusa de Alencar Viana, que era gerente de uma indústria farmacêutica, descia de um Jeep Renegade para fazer comprar em um supermercado da região, por volta das 21h de sábado, quando foi surpreendida pela BMW em alta velocidade. Na ocasião, ela estava acompanhada do namorado, de 50 anos. 

Uma médica que passava pela avenida prestou os primeiros socorros enquanto aguardava a chegada do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), porém, Jerusa não resistiu aos ferimentos e acabou morrendo no local. O corpo dela foi enterrado nesse domingo (12), no Cemitério Parque Renascer, em Contagem. 

Segundo informou o Departamento de Trânsito de Minas Gerais (Detran-MG), inicialmente, o crime se encaixaria no artigo 302 do Código de Trânsito Brasileiro, que é a prática de homicídio culposo na direção de veículo automotor, com pena de detenção de dois a quatro anos, e suspensão da carteira de motorista. 

No entanto, as circunstâncias do crime podem aumentar a pena, como a fuga sem prestar socorro, por exemplo, ou embriaguez ao volante, caso seja constatada. As investigações estão a cargo do delegado Rodrigo Fagundes.