A Polícia Civil de Minas (PCMG) vai começar a ouvir testemunhas nos próximos dias para apurar o assassinato de uma balconista de 31 anos, encontrada dentro de uma geladeira na própria residência, no bairro Planalto, região Norte de Belo Horizonte. O corpo dela foi localizado nessa quarta-feira (15), mas somente o laudo pericial da necropsia poderá informar quando a morte aconteceu, por conta da refrigeração.

A mulher foi encontrada pelo marido, que é caseiro de um sítio na Região Metropolitana, e não falava com a esposa desde o dia 15 de junho. O homem relatou que tentava contato com a balconista há dias e, por não ter resposta, decidiu chamar um chaveiro para entrar no apartamento dela. A vítima tinha sinais de violência e enforcamento.

A Polícia Civil não confirma se o principal suspeito do assassinato é o amante da vítima, que teria sido visto por testemunhas nas proximidades do imóvel onde a balconista morava na sexta-feira (10), último dia em que colegas e vizinhos tiveram contato com a mulher.

Contra o amante há um registro de boletim de ocorrência feito pela vítima no dia 24 de junho. Aos policiais, ela relatou que foi ameaçada por um homem com quem se relacionava há quatro meses. No relato, consta que o suspeito teria apontado uma faca para a amante, dizendo que a mataria se ousasse terminar o relacionamento. Existe a suspeita ainda que ele poderia ter sedado a mulher à força na ocasião.

O homem foi procurado e policiais descobriram que ele está hospedado na casa dos pais em Sete Lagoas, na Região Central de Minas. Pelo telefone, o homem negou ter cometido o crime e prometeu comparecer à Delegacia de Homicídios da capital, acompanhado de um advogado, para prestar depoimento.

A Polícia Civil informou que trabalha com uma linha de investigação, mas não descarta nenhuma hipótese. Ninguém foi preso até o momento.