Praça Raul Soares, no Centro de BH, ganha maior obra Shipibo do mundo pelo CURA; confira fotos

Luiz Augusto Barros
@luizaugbarros
04/11/2021 às 19:02.
Atualizado em 05/12/2021 às 06:11
 (Fernando Michel/Hoje em Dia)

(Fernando Michel/Hoje em Dia)

“Você dormiu e na praça Raul Soares a grande cobra, Anaconda, mãe das águas e do rio Amazonas despertou”. Com essas palavras, o Circuito Urbano de Arte (CURA) anunciou, nesta quinta-feira (4), a conclusão das pinturas realizadas no Centro de Belo Horizonte.

O festival, um dos mais importantes do Brasil, chegou à capital mineira com intervenções inspiradas na cultura indígena e a relação com a história da cidade. A realização da obra contou com a participação de 40 artistas - veja a galeria de fotos no fim da matéria.

Desde quinta-feira (21), dois prédios começaram a receber as pinturas do artista mineiro Ed-Mun e do Movimento Huni Kuin, do Acre. A primeira fica no Edifício Paula Ferreira, na praça. E a segunda fica no Edifício Levy, na avenida Amazonas. 

No sábado (23), o Coletivo Viva JK promoveu uma intervenção no edifício de mesmo nome, também na região central.  Entre a última sexta-feira (29) e essa segunda (1°), os artistas Sadith Silvano e Ronin Koshi, do povo peruano Shipibo, fizeram pinturas-rituais nas pistas da avenida Amazonas, ao redor da praça.

“A maior obra Shipibo do mundo está entre nós, em Belo Horizonte, a casa do Cura, território gigante em significado e história”, diz uma publicação do festival nas redes sociais.

Leia mais:

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por