Para minimizar o problema dos recorrentes alagamentos da avenida Vilarinho, em Venda Nova, a Prefeitura de Belo Horizonte anunciou nesta quinta-feira (13) o início do processo de desapropriação de imóveis para realização de obras de drenagem nos córregos Vilarinho, Nado e Ribeirão Isidoro. O início dos trabalhos está previsto para março e o investimento é de aproximadamente R$ 20 milhões.

alagamento vilarinho

Segundo o secretário municipal de Obras e Infraestrutura, Josué Valadão, uma caixa de captação será construída no encontro das avenidas Vilarinho, Álvaro Camargos e Marçon Ribeiro. A estrutura vai ocupar uma área de 2.800 metros quadrados e terá quatro metros de profundidade. A ideia é que a água da chuva que vem da superfície passe a cair dentro nesta caixa, que vai funcionar como uma piscina com capacidade para 10 milhões de litros de água.

"O que vier da pista da Vilarinho vai ser canalizado para essa tubulação. Com isso a gente espera fazer um amortecimento para a água. Em termos práticos, você vai ter uma melhor organização da entrada da água no canal que segue na Vilarinho. O refluxo da água que faz o transbordamento vai ser bastante reduzido", explica Valadão

A obra tem previsão de duração de 18 meses. "A gente espera que no próximo período chuvoso os problemas já estejam atenuados", aponta o secretário.

Chuva avenida Vilarinho

Ainda conforme a prefeitura vão ser desapropriados terrenos nos bairros Santa Mônica, Candelária, Flamengo, Piratininga, São João Batista e Mantiqueira. O trânsito na região também será alterado. Para a execução dos serviços, também será necessário o remanejamento de diversas redes de infraestrutura e serviços que interferem diretamente com a execução do projeto. A intenção é liberar a área para execução desta primeira etapa logo após o Carnaval.

“Foi essencial discutir o projeto com todos os envolvidos - Cemig, Copasa, BHTrans e Sudecap - no local onde acontecerão as intervenções porque enriquece a discussão e mostra com mais clareza o papel de cada órgão envolvido no andamento dos trabalhos”, comentou o superintendente da Sudecap Henrique Castilho.