De janeiro a outubro deste ano, 15 mil mulheres registram boletim de ocorrência em Belo Horizonte denunciando terem sido vítimas de violência doméstica. Deste total, mais de 7 mil medidas protetivas foram expedidas pela Justiça. Para pedir o fim das agressões, o Comitê de Combate à Violência Contra a Mulher está organizando uma ação em diversas cidades do mundo. 

Na capital mineira, está programada uma caminhada, no próximo dia 8 de dezembro, a partir das 10 horas, na Praça da Liberdade. A iniciativa integra os “16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra as Mulheres”, uma campanha internacional de combate à violência contra as mulheres e meninas.

A expectativa de Luiza Helena Trajano, presidente do Grupo Mulheres do Brasil, é a de que a mobilização desperte a atenção dos governantes. “Não podemos mais aceitar que uma mulher seja morta a cada duas horas e que haja um estupro a cada 11 minutos. Temos que mudar essa realidade urgente, é a união de todos e todas por uma causa global”, diz.

Milhares de pessoas são esperadas na manifestação. "A violência contra a mulher acontece em todo o mundo, não é um problema exclusivo do Brasil. Com camisetas laranjas, vamos ocupar as ruas em sintonia com as mulheres de todo o planeta que ainda vivem em situação de violência”, acredita Eliana Tameirão, líder em BH do Grupo Mulheres do Brasil.

Serviço: 
Caminhada pelo fim da violência contra a mulher 
Data: dia 8 de dezembro – Dia Laranja
Horário: às 10h (concentração a partir das 9:30h)
Percurso: Saindo da Praça da Liberdade, percorrendo a Avenida João Pinheiro até a Avenida Afonso Pena.

Leia mais:
Mulheres pedem mais ajuda e polícia caça agressores em Minas
Senado reforça importância do combate à violência contra a mulher