Familiares e amigos das vítimas do rompimento da barragem de Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, fizeram um protesto nesta segunda-feira (25) para marcar os dois meses da tragédia, que já matou 214 pessoas e deixou outras 91 desaparecidas.

O dia foi de luto e revolta. Os manifestantes se concentraram na entrada do município, perto do letreiro que identifica a cidade. Fotos, cartazes, cruzes e até roupas lembravam as pessoas que perderam a vida após a barragem da mina Córrego do Feijão se romper e os rejeitos devastarem a área administrativa da mineradora Vale, incluindo o refeitório, onde muitos trabalhadores almoçavam por volta de 12h30, momento do rompimento.

Houve um culto ecumênico e um minuto de silêncio pelos mortos. Cada vítima foi chamada pelo nome e as pessoas respondiam "presente" a cada pessoa lembrada.

Leia mais:

Justiça acata pedido do MPMG e determina que Vale garanta segurança da barragem de Barão de Cocais
Prefeito de Mariana assina decreto de calamidade financeira e responsabiliza Vale
Vale poderá construir 'muro de concreto' entre barragem e Barão de Cocais
Liminar impede retorno programado de operação da mina de Brucutu