Um protesto no Centro de Belo Horizonte reúne na noite desta quinta-feira (3) professores, estudantes e profissionais em defesa da educação.

Os manifestantes saíram da Praça Afonso Arinos e seguem pela a avenida Afonso Pena em direção à Praça Sete. Por causa do ato, que faz parte da programação de de dois dias de paralisação de professores e técnicos administrativos da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) contra o contingenciamento do Governo Federal na área da Educação, o trânsito está complicado na região.

De acordo com a União Nacional dos Estudantes (UNE), a mobilização, que acontece em várias partes do país, é contra os bloqueios no orçamento do Ministério da Educação (MEC), que neste ano passou por dois contingenciamentos de verbas – R$ 5,8 bilhões em abril e R$ 348,47 milhões em julho –, em defesa das pesquisas científicas após os cortes nas bolsas da Capes e CNPq; contra o programa Future-se (proposta do MEC para aumentar a verba privada no orçamento das federais); e em defesa das universidades filantrópicas que estariam ameaçadas pela Reforma da Previdência, segundo a entidade.

Dos R$ 6,1 bilhões contingenciados, R$ 1,99 bilhão foi liberado na última segunda-feira (30) – R$ 808 milhões para universidades. As instituições dizem que aulas, pesquisas e atividades de extensão poderão ser suspensas se o repasse não chegar a tempo.

Procurado pela reportagem, o Ministério da Educação não se manifestou sobre o protesto.

Leia mais:

MEC desbloqueia 679 bolsas de pós-graduação
Vídeos de professores, alunos e parceiros mostram importância das pesquisas feitas na UFMG