Faltando um dia para o fim da campanha de vacinação contra sarampo em Minas Gerais, apenas 1% das doses destinadas a Belo Horizonte foram efetivamente aplicadas. Até esta quinta-feira (12), segundo a Secretaria de Estado de Saúde (SES), cerca de 2.000 pessoas se imunizaram na cidade, que recebeu mais de 180 mil unidades do insumo.

A capital mineira registrou este mês o primero caso da doença em 2020. Trata-se de um jovem de 19 anos que não tinha histórico de vacinação. A doença era considerada erradicada do Brasil desde 2016, mas o vírus voltou a circular intensamente no ano passado, quando 132 pessoas foram diagnosticadas com sarampo em Minas, 52 delas em BH.

No Estado, a campanha de vacinação também teve desempenho pífio. Do público alvo - pessoas de 5 a 19 anos - mais de 2,1 milhões não estão com a imunização em dia. O Ministério da Saúde preconiza duas doses, mas 529 mil mineiros só tomaram uma, outros 1,6 milhão sequer foram aos postos de saúde.

A idade é um entrave para completar a vacinação. A diretora de vigilância da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), Jandira Lemos, diz que os pais e mães tendem a se preocupar apenas com filhos mais novos, enquanto os adolescentes não tem costume de se preocupar com a imunização.

"Os pais concentram maior nos primeiros anos de vida. Entre os jovens, na idade de 12 a 19 anos, a gente também precisa de 95% de cobertura vacinal e, geralmente os responsáveis não se preocupam em atualizar a caderneta deles", afirmou.

Vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunização (Sbim), a infectologista Isabela Ballalai acredita que o esforço nas campanhas para este público precisa ser reforçado, com trabalhos direcionados, já que as campanhas parecem não surtir o efeito esperado.

"Ora, se esse público não está correspondendo aos chamados, as autoridades de saúde têm que estudar alternativas de conscientização. Talvez campanhas em redes sociais, materiais direcionados a esse nicho. Porque não adianta só uma faixa se vacinar, o sarampo é altamente contagioso", disse.

Segundo a médica, a erradicação da doença no Brasil ocorreu exatamente porque, nas últimas décadas, o Sistema Único de Saúde (SUS) conseguiu fazer uma imunização universal, o que "bloqueou" a circulação do vírus. Imigrações, informações falsas e boatos na internet são apontados pela Sbim como motores para a baixa adesão.

Uma pessoa infectada com sarampo pode transmitir a doença para até outras 18 pessoas não vacinadas. A disseminação ocorre por via aérea ao tossir, espirrar, falar ou respirar. Não é necessário contato direto porque o vírus pode se disseminar pelo ar a metros de distância.

A Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) reforça que, mesmo fora da campanha, postos da capital têm estoque das vacinas e que qualquer pessoa pode procurar as unidades para se vacinar durante todo o ano. O público que precisa se imunizar são pessoas de 0 a 49 anos.

Neste ano, outras duas campanhas de vacinação serão feitas, para fechar o público-alvo da doença. A primeira, entre junho e agosto para pessoas de 20 a 29 anos de idade, e outra, também em agosto, para a população de 30 a 59 anos.

Leia Mais:
Muriaé registra caso suspeito de coronavírus em criança que esteve na Europa
Brasileiro consome muito sal, mas não tem consciência da quantidade excessiva
Precisamos falar do excesso de atividade física: você sabe o que é vigorexia?