Representantes dos motoristas de ônibus estão sem perspectiva para a reunião que acontece nesta tarde com BHTrans, Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) e Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de BH (SETRA BH) na Justiça do Trabalho.

Segundo a assessoria do Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários de Belo Horizonte (STTRBH), a classe não vê uma expectativa de acordo ou proposta de resultado imediato, mas espera que o encontro tenha ao menos uma sinalização para a negociação que traga algum benefício efetivo para os trabalhadores. “Nós esperamos uma mobilização da Prefeitura de BH e do Tribunal do Trabalho para intervir e ajudar na negociação com as empresas de transporte rodoviário”. afirma a assessoria do STTRBH.

De acordo com o Sindicato, a greve pode continuar nos próximos dias caso não ocorra o reajuste salarial exigido pela categoria, que está completando três anos sem reajuste. O STTRBH informa ainda que foram realizadas quatro rodadas de negociação e, em nenhuma delas, os empresários apresentaram alguma proposta de correção dos salários.

Em nota, PBH e BHTrans afirmam que estão aguardando o desfecho da reunião para darem novas informações. Já a SETRA declara que no fim desta tarde será feita uma coletiva de imprensa para divulgar o resultado da reunião.

Frota mínima

Na última sexta-feira (19), a Justiça do Trabalho determinou que a greve desta segunda-feira (22) dos motoristas de ônibus deveria cumprir a frota mínima de 60% dos coletivos em circulação, sob multa diária de R$ 50 mil. No entanto, a BHTrans informou que nenhum terminal de ônibus cumpriu o percentual determinado e foi necessário acionar a Justiça para tentar garantir que os trabalhadores respeitassem ao menos o mínimo estabelecido.

Confira abaixo o percentual de viagens realizadas em cada terminal em relação às programadas:


Leia mais:
Motoristas não cumprem exigência de frota mínima e PBH recorre à Justiça do Trabalho; entenda
Estação Diamante amanhece com multidão de passageiros a espera dos coletivos