Na tentativa de evitar prejuízos ao ano letivo devido à quarentena, o Sindicato das Escolas Particulares de Minas Gerais (Sinep) sugeriu uma antecipação, para maio, dos recessos referentes a feriados e férias de julho. Não está descartada a possibilidade de se estender a recomposição das aulas até 2021. 

Cada instituição está livre para definir o próprio calendário, mas, normalmente, os colégios seguem as diretrizes do Sinep. O temor de que as aulas prossigam até 2021 se deve à falta de previsão para a retomada do ensino e ao próprio calendário escolar, que deve assegurar carga horária mínima de 800 horas. 

De acordo com o sindicato, as escolas que oferecem apenas a Educação Infantil teriam 15 dias de recesso, de 22 de abril a 6 de maio, e mais 15 dias de férias, de 7 a 21 de maio.

Já as escolas que possuem a Educação Infantil com o Ensino Fundamental e/ou Ensino Médio teriam a recomposição de calendário pelos feriados antecipados de 4 a 15 de maio, somente para a Educação Infantil, e recesso escolar de 18 de maio a 1º de junho para todos os segmentos (Infantil, Fundamental e Médio).

No caso da rede estadual, o recesso de julho foi antecipado para a primeira quinzena de abril e um projeto de ensino remoto começa a ser apresentado aos alunos em 4 de maio. Para a rede municipal, ainda não foi divulgado um calendário de reposição. Segundo o governador Romeu Zema, possivelmente as aulas não serão retomadas antes de julho.

Leia mais:
Caixa paga auxílio emergencial a 5 milhões de beneficiários; confira escala