Um trio detido pela Polícia Militar na madrugada desta terça-feira (10) em Belo Horizonte é suspeito de ter participado do sequestro de um bancário e familiares dele no domingo (8) em São Gonçalo do Pará, no Centro-Oeste de Minas. Os homens de 23 e 26 anos e o adolescente de 17 foram localizados depois de contar detalhes do crime enquanto assaltavam um motorista de aplicativo na capital.

De acordo com a Polícia Militar, durante um rastreamento pelo bairro São Francisco, região da Pampulha, por causa de uma denúncia de roubo, uma viatura foi parada por um pedestre. O homem contou que era motorista de aplicativo e que acabara de ser vítima de um assalto, mas que havia conseguido fugir, após parar o veículo em um posto de gasolina.

Ele afirmou que atendeu a um chamado no bairro Tupi, na região Norte, e os três jovens entraram no carro, sendo que um deles parecia estar armado. Durante a corrida, que seria para Ibirité, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, o motorista ouviu um dos homens falar ao telefone sobre um sequestro no interior de Minas.

O profissional, então, fingiu que o seu veículo estava com um problema e parou em um posto de gasolina no bairro São Francisco. Ele abriu o capô do carro e, quando percebeu que os jovens estavam distraídos, correu do local.

Ao chegar ao endereço indicado pela vítima, os policiais militares encontraram o veículo parado, com capô aberto, e três jovens que tinham as características informadas pelo motorista. Houve uma abordagem e os rapazes disseram que tinham ido até ali buscar gasolina.

Os policiais entraram em contato com militares de São Gonçalo do Pará para verificar se as vítimas do sequestro reconheceriam os suspeitos. O gerente de banco afirmou que estava encapuzado e, por isso, não conseguiria identificar os suspeitos, mas o pai dele, que também foi vítima, reconheceu os dois homens adultos como os autores do crime.

Busca pela arma

No boletim de ocorrência, há a informação de que os suspeitos teriam admitido a participação no sequestro e ofereceram a arma usada no crime aos policiais em troca da liberdade. Os militares fingiram ter aceitado o suborno e foram até o local indicado pelos suspeitos, no bairro Ribeiro de Abreu, na região Nordeste, para buscar a suposta arma, que não foi encontrada.

Em seguida, os policiais decidiram ir até a casa de um dos suspeitos, onde foi encontrada uma pistola 765. Uma foto da arma foi enviada para o gerente de banco de São Gonçalo do Pará e a vítima do sequestro afirmou ter reconhecido a pistola como a usada para ameaçá-lo.

Como um dos suspeitos é menor de idade, o caso foi encaminhado à Delegacia Especializada de Orientação e Proteção ao Adolescente (Dopcad). No local, no momento da confecção do boletim de ocorrência, o suspeito de 26 anos teria tentado fugir e feito um “tumulto”, urinando no chão. Segundo o boletim de ocorrência, ele teria feito ameaças a um policial, dizendo que ia “encher a sua cara de tiros”.

Os três tinham passagem pela polícia. O homem de 26 anos tinha em sua ficha tráfico de drogas, furto e resistência a prisão. Havia mandado de prisão aberto contra ele.

O outro homem tem passagem por furto, clonagem de veículo, porte ilegal de arma, tráfico de drogas e extorsão mediante sequestro. O adolescente já havia sido apreendido por lesão corporal de ameaça.