Dos 990 leitos de terapia intensiva da rede pública em Belo Horizonte, 88% estão ocupados, segundo o boletim epidemiológico divulgado pela Prefeitura de Belo Horizonte nesta segunda-feira (29). Os dados são referentes a domingo (28).

Em relação aos 301 leitos de UTI reservados a pacientes com Covid-19, a taxa de ocupação é de 87%. Ou seja, pelo menos 261 pessoas estão internadas em unidades de alta complexidade na capital por causa da doença. Esse número de pacientes indica que, entre todos os leitos de terapia intensiva ocupados por pessoas diagnosticadas com o novo coronavírus, 47,5% estão na capital. 

E também há grande demanda para outras doenças ou traumas. Entre os 689 leitos de UTI dedicados a pacientes com outras enfermidades, 88% estão ocupados. Já em relação aos leitos de enfermaria, a ocupação geral é de 69%. Belo Horizonte tem 5.510 casos confirmados e 129 mortes por Covid-19. 

Neste domingo, oito pacientes que deram entrada na UPA Barreiro com suspeita de Covid-19 aguardavam encaminhamento para outros hospitais, de acordo com denúncia feita pelo médico Bruno Pedralva, secretário-geral do Conselho Municipal de Saúde de Belo Horizonte.

A reportagem perguntou à Secretaria Municipal de Saúde o porquê da demora em transferir os pacientes da UPA Barreiro, já que pelo menos 40 leitos estariam disponíveis, segundo levantamento apresentado pelo boletim. A pasta respondeu que os leitos da Rede SUS-BH contemplam UTI e Enfermaria adulto, pediátrico e neonatal. "A Secretaria Municipal de Saúde possui uma central de internação que funciona 24 horas por dia, onde todas as solicitações de leitos hospitalares são analisadas por um médico regulador, que encaminha os pedidos para internação, de acordo com necessidade clínica de cada paciente", afirmou por nota.

No domingo, a secretaria informou que, para a assistência aos pacientes na UPA Barreiro, um respirador da UPA Venda Nova e um do SAMU foram remanejados para a unidade; e que dois pacientes que estavam no local foram transferidos - um para o Hospital Metropolitano Dr. Célio de Castro e um para o Hospital Santa Lúcia.

Na tarde desta segunda-feira, a Prefeitura de Belo Horizonte enviou nota informando que o aumento do número de casos de Covid-19 em Belo Horizonte na última semana (e em consequência disso do número de atendimentos em Centros de Saúde, Unidades de Pronto-Atendimento, Hospitais da Rede SUS/BH e transportes de pacientes pelo Samu), foi fundamental para retornar a cidade para a fase de controle (funcionamento apenas de atividades essenciais).

A prefeitura disse que está verificando com os hospitais 100% SUS a possibilidade da abertura imediata de novos leitos de UTI. Em junho, foram abertos pela Secretaria 232 leitos Covid na Rede SUS/BH – 81 UTIs e 151 enfermarias. 

Somando as unidades Covid de enfermaria (798) e UTI (301), o SUS-BH conta hoje com 1.099 leitos. Em março, eram 196 leitos Covid: 82 de UTI e 114 de enfermaria - um aumento de mais de 460% de leitos (no comparativo março/junho), de acordo com a prefeitura. 

A Rede SUS-BH conta atualmente com 18 hospitais equipados com leitos de UTIs e enfermarias para atendimento de casos de Covid em Belo Horizonte.

Minas Gerais

Em Minas Gerais, há 2.964 leitos de UTI disponíveis no momento na rede pública sendo que 89,62% deles estão ocupados. Em todo o Estado, 549 pacientes internados em leitos de terapia intensiva estão diagnosticados com Covid-19 – ou seja, 18,27% do total de vagas.

A taxa de ocupação dos 12.928 leitos clínicos do SUS é de 71,85%, sendo que 1.432 pessoas estão internadas em decorrência da Covid-19 (11,53%).

Leia mais:
Infectologista explica por que é tão difícil abrir um novo leito de UTI na rede pública