Um estudo publicado nesta terça-feira (5) na revista britânica “The Lancet” aponta que as duas doses da vacina Pfizer são eficazes na prevenção dos casos graves causados por todas as variantes da Covid-19 por ao menos seis meses.

A pesquisa realizada pela farmacêutica e a organização americana Kaiser Permanente analisou dados médicos de 3,4 milhões de pessoas no sul da Califórnia, entre dezembro de 2020 e agosto deste ano. 

Os testes indicaram que a eficácia do imunizante contra os riscos de infecção diminui ao longo do tempo, caindo de 88% no mês seguinte ao reforço, para 44% após seis meses. Por outro lado, mantém eficiência de 90% em casos de hospitalização por pelo menos um semestre.

De acordo com a publicação, os dados confirmam os resultados de estimativas anteriores feitas pelo Centros para o Controle e Prevenção de Doenças (CDC), principal agência de saúde pública dos Estados Unidos, e do Ministério da Saúde de Israel.

“As vacinas são uma ferramenta central para controlar a epidemia, e são extremamente eficazes na prevenção de formas graves e hospitalizações, inclusive contra a delta e outras variantes preocupantes”, disse Sara Tartof, uma das autoras do estudo.

Lotes enviados a Minas

Nessa segunda-feira (4), a Secretaria de Estado de Saúde (SES) anunciou a chegada de mais doses de vacinas contra o coronavírus a Minas. Segundo a pasta, serão 324.090 unidades de Pfizer e 368.250 da AstraZeneca. 

Leia mais:

Adolescentes de 15 anos recebem primeira dose contra a Covid-19 nesta terça em BH; confira locais
'Temos grande preocupação de ter o retorno do sarampo e paralisia infantil', diz gestora estadual