A Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) anunciou, na manhã desta quarta-feira (2), uma série de medidas para a população que vive em situação de rua na capital. Entre as novidades, um novo abrigo para mulheres – com local a ser definido –, ampliação do funcionamento do Centro de Referência da regional Centro-Sul, reformas e um selo de responsabilidade para empresas que contratam esse público. Atualmente, conforme o Executivo, a cidade tem cerca de quatro mil nessa condição.

Na abertura da solenidade de assinatura das ordens de trabalho e de entrega dos certificados a representantes de empresas que aderiram, o prefeito Alexandre Kalil agradeceu o empresariado pela parceria. “É uma estupidez se falar em ajuda a quem precisa sem a colaboração do empresariado, que gera imposto. O poder público nada mais é que um repassador do dinheiro do poder privado”, sinalizou. “Por isso, tem que fazer com zelo, carinho e honestidade”, completou Kalil.

A fala do prefeito ocorreu após o lançamento do Selo de Responsabilidade Social do Programa Estamos Juntos. A ação incentiva que as empresas coloquem, em seus devidos quadros, novos profissionais. Atualmente, 14 instituições são parceiras da PBH e 240 pessoas, em idade produtiva e com disponibilidade para o trabalho, estão mapeadas nos abrigos municipais. Elas já foram atendidas no Sine, para orientações iniciais, 198.

Outras medidas

O funcionamento do Centro de Referência da População de Rua Centro-Sul será ampliado a partir deste mês. Segundo Maíra Colares, secretária municipal de Assistência Social, Segurança Alimentar e Cidadania, agora o local estará aberto aos sábados, domingos e feriados, das 8h às 13h. Conforme a PBH, o novo horário amplia em mais de 200 usuários por dia, possibilitado por um aporte de R$ 1,3 mi.

“Se temos os serviços fechados aos finais de semana, a gente aumenta as possibilidades da mendicância e diminui a proteção social”, declarou Colares. No espaço, o usuário consegue guardar pertences, tomar banho, lavar roupas, se alimentar e solicitar documentação.

Entre as novidades, Maíra Colares afirmou que será criada, até dezembro, uma unidade para acolher mulheres adultas que vivem em situação de rua. Cerca de R$ 1 milhão, do tesouro da PBH, será utilizado para garantir a permanência de 50 vagas. O local, no entanto, ainda não foi definido. “Estamos no processo de identificação do melhor local, mas esperamos que seja padrão, conforme a outra unidade que abrimos na avenida Paraná. Queremos uma estrutura semelhante”, afirmou.

Além do novo abrigo, os já existentes, Granja de Freitas, Pompeia e Maria Maria, já passam por reformas. Conforme o Executivo, os espaços estão sendo revitalizados e têm manutenção nas redes elétrica e hidráulica, telhados, pintura, muro, quadra esportiva e sistema de drenagem. A previsão é que as obras sejam concluídas em três meses, informou a Prefeitura de Belo Horizonte.

Confira entrevista com a secretária:

Leia mais:
'Estamos Juntos': PBH cria programa para capacitar e empregar morador de rua de BH