A Vale deverá apresentar à Justiça na próxima quinta-feira (14), um pacote de medidas emergenciais e reparadoras para os atingidos pela tragédia em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, após o rompimento da barragem da Mina Córrego do Feijão, no dia 25 de janeiro.

De acordo com o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), a audiência será às 14h, na 6ª Vara da Fazenda Pública Estadual e Autarquias, em Belo Horizonte.

Na última audiência de conciliação organizada pelo TJMG, na semana passada, o juiz Elton Pupo Nogueira determinou que a mineradora restitua R$ 13.447.891,50 aos cofres públicos de Minas Gerais, correspondentes às despesas geradas pela tragédia. O valor foi retirado do montante de R$ 1 bilhão, bloqueado da empresa em ação civil pública do governo mineiro, mediante pedido de tutela antecipada na Justiça.

Ainda conforme o TJMG, as despesas com equipes do Corpo de Bombeiros, da Polícia Civil e de secretarias do Estado, hospitais, instituições e fundações ligadas ao meio ambiente foram apresentadas em planilhas pela Advocacia-Geral do Estado (AGE). Mas, os advogados da Vale exigiram, além das planilhas, a apresentação de notas fiscais e recibos.

Segundo balanço divulgado pela Defesa Civil de Minas Gerais nesta terça-feira (12), até agora, o desastre já matou 165 pessoas e 155 ainda estão desaparecidas.

Leia mais:
Justiça proíbe novas licenças ambientais para Mina Casa Branca na região da Serra do Rola Moça
MP diz que Vale sabia de riscos em Brumadinho e pede medidas de urgência em barragens de Minas
Governo avalia acesso de vítima de Brumadinho ao Minha Casa Minha Vida
Após pedido da Defensoria Pública, Vale suspende repasses de R$ 15 mil