Vereadores de Belo Horizonte estão reunidos na Câmara Municipal, na tarde desta quinta-feira (21), para discutir a repercussão dos áudios apresentados durante a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19, envolvendo o prefeito da capital, Alexandre Kalil (PSD). Uma possível abertura de um processo de impeachment está em pauta. 

Aproximadamente 20 parlamentares estão reunidos na sala da presidente da CMBH, Nely Aquino (Podemos). O encontro foi iniciado no começo da tarde, logo após a divulgação dos áudios feita pelo ex-chefe de gabinete de Kalil, Alberto Lage, durante sessão de acareação

As gravações sugerem que empresários de ônibus de BH estariam pagando a defesa do ex-presidente da BHTrans, Célio Bouzada. A defesa dele é feita pelo escritório de Hermes Vilchez Guerrero, que foi designado nesta quinta para o Conselho de Ética Pública da prefeitura.

Em um dos áudios, Kalil aconselha Lage a não depor contra Bouzada, pois empresários de ônibus poderiam pagar advogados para que o ex-chefe de gabinete fosse acionado na Justiça. Entenda.

Leia mais:
Kalil se defende e diz que áudios de sua conversa com ex-chefe de gabinete foram distorcidos
Em áudios divulgados em CPI, Kalil sugere que empresários de ônibus pagam defesa de Célio Bouzada
Transmissão da Covid-19 se estabiliza em BH; ocupação dos leitos de UTI e enfermaria apresentam alta