Zema afirma que cânions de Capitólio passarão por análises técnicas após tragédia

Clara Mariz
@clara_mariz
10/01/2022 às 19:20.
Atualizado em 18/01/2022 às 00:52
 (Reprodução)

(Reprodução)

O governador Romeu Zema (Novo) afirmou nesta segunda-feira (10), durante entrevista coletiva no Clube Náutico de São João Batista do Glória, município vizinho a Capitólio, local da tragédia que matou 10 pessoas no último sábado (8), que a partir de agora os cânions do Lago de Furnas passarão por análise técnica constante.

"Nós queremos que toda a região continue atraindo turistas, mas, a partir de agora, todo um cuidado adicional será exigido. Teremos frequentemente uma análise, talvez anual, do risco daquele local, já que vimos que pode acontecer novamente", disse Zema.

O governador também comparou o ocorrido à queda de um raio e ao deslocamento de uma rocha que acaba caindo sobre um carro ou casa. De acordo com ele, a tragédia não pôde ser evitada já que o desprendimento de um paredão nunca havia acontecido antes. "O que aconteceu ali é o que acontece muitas vezes no Brasil afora: uma rocha rola de uma determinada montanha sem nenhuma previsibilidade e atinge um carro, atinge um caminhão ou interrompe a pista. Tivemos aqui a infelicidade de atingir uma lancha com 10 pessoas. É algo inédito que nunca aconteceu anteriormente. Nos últimos 100 anos, nós não sabemos de nenhuma ocorrência dessa, então seria algo muito difícil de se prever", explicou.

Questionado sobre a liberação do turismo nos cânions de Capitólio, Romeu Zema disse que a vistoria e liberação da área é de responsabilidade da Marinha. "Nós estamos falando de um curso d'água e quem tem a jurisdição é a Marinha. Vai caber a eles fazerem a análise. Pelo que eu tomei conhecimento, ela vai resgatar as embarcações que afundaram para ter um laudo técnico. Então, penso que enquanto essas embarcações não forem resgatadas, pelo menos, a área dos cânions ficará interditada".

Auxílio 
Durante sua declaração, o governador de Minas explicou que os esforços do Estado estão sendo direcionados para prestar auxílio humanitário para as vítimas das chuvas. Conforme o líder do executivo estadual, o governo federal disponibilizou R$ 47 milhões, que serão destinados às cidades afetadas. "Nossa prioridade no momento são essas pessoas que perderam as casas, que perderam tudo. Nós estamos dando abrigo e alimentação até que o nível das águas baixem".

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por