O governador Romeu Zema (Novo) voltou a criticar o trabalho dos parlamentares na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG). Em entrevista à rádio Itatiaia, nesta quarta-feira (24), cobrou mais empenho dos deputados na tramitação de pautas de interesse do governo e chegou até a questionar o horário de reuniões marcadas na Assembleia.

“Eu sempre respeitei muito a Assembleia Legislativa, os deputados, mas, com toda a certeza, a assembleia poderia estar contribuindo mais. Nós vimos que, em várias ocasiões, reuniões foram marcadas para às 23h30. Será que isso é normal? Eu fico um tanto quanto desconfiado quando as reuniões são agendadas para esse horário”, disse Zema.

O governador citou de forma específica a votação para a adesão ao Regime de Recuperação Fiscal (RRF) no Estado, que tramita em ritmo mais lento do que o Executivo espera. Segundo ele, a pauta precisa ser aprovada até abril, para que não haja risco de cobrança de cerca de R$ 30 bilhões em dívidas com a União de uma só vez.

“A assembleia precisa estar ciente da urgência dessa votação”, disse o governador na entrevista. O RRF é a principal pauta do governo estadual na casa legislativa e sua aprovação divide os parlamentares.

O líder da oposição na Assembleia, deputado André Quintão (PT), considera o RRF uma medida negativa ao povo mineiro. Na visão do parlamentar, a adesão ao regime impede a implementação de políticas públicas sociais importantes para combater os efeitos da pandemia.

“A Assembleia Legislativa de Minas Gerais não pode votar, a toque de caixa, nenhum projeto que prejudique a população mineira”, afirma Quintão. “O governador não deve ser o juiz da Assembleia, ele tem que ser o governador de todos os mineiros e mineiras”, complementa.

A reportagem entrou em contato com a equipe do deputado Agostinho Patrus (PV), presidente da Assembleia, mas ainda não obteve resposta do parlamentar a respeito das declarações de Romeu Zema.

Leia mais:
Após almoço com Moro, Zema é lembrado pelo Podemos como possível vice do ex-ministro
Em pleno período de chuvas, mais de 140 cidades entram em situação de emergência devido à seca