O retorno das aulas presenciais em escolas estaduais de Minas ainda depende de uma definição da Justiça. Nesta quarta-feira (10), três mandados de segurança, abertos pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e pela Defensoria Pública, e que tratam da volta das atividades em instituições do Estado, serão julgadas pelo TJMG. Caso o parecer seja favorável, a retomada será imediata.

A informação foi divulgada pelo governador de Minas Gerais, Romeu Zema, em entrevista concedida na manhã desta terça-feira (8). “Tenho dito que a volta às aulas é um anseio de muitos pais e do nosso governo, e a questão hoje está sub judice. O tribunal quer atestar que os protocolos estão seguros e eu pessoalmente os considero seguros. Vale lembrar que o retorno será opcional, para os pais que se sentirem confortáveis”, disse à Rádio Itatiaia. 

A volta das atividades presenciais chegou a ser autorizada pelo governo ainda em março deste ano, mas questionada por sindicatos contrários. “Os alunos têm sido prejudicados. Vários países do mundo já retornaram e está provado que a contaminação entre crianças é infinitamente inferior. Elas correm talvez mais riscos estando no meio de adultos do que entre elas. Então espero que o tribunal analise isso para que as aulas possam retornar”, concluiu, dizendo que o retorno ocorrerá “assim que o tribunal decidir”.

Leia mais:
Taxa de incidência da Covid cai 34% em BH, mas segue muito longe da ideal

Brasil confirma 1.010 mortes por Covid-19 em 24 horas; óbitos passam de 474 mil
Saiba como funciona a chamada 'xepa da vacina'