'Massagem modeladora'

Massagista é indiciado por violação sexual mediante fraude contra três mulheres em BH

Clara Mariz
@clara_mariz
22/06/2022 às 17:08.
Atualizado em 22/06/2022 às 17:14
Massagista é acusado de assédio em massagens modeladoras (Facebook / Reprodução)

Massagista é acusado de assédio em massagens modeladoras (Facebook / Reprodução)

O massagista de 52 anos denunciado por duas mulheres, em maio, em Belo Horizonte, foi indiciado nesta quarta-feira (22) por violação sexual mediante fraude, também conhecido como estelionato sexual, contra três vítimas. O homem já havia sido condenado pelo mesmo crime em 2019. Na época, ele trabalhava em uma clínica de estética no São Pedro, região Centro-Sul da capital.

De acordo com a delegada responsável pelo caso, Cristiana Angelini, alguns fatos são datados de 2020, mas não impediram o indiciamento. O suspeito aguarda o andamento do processo em liberdade.

Nas denúncias atuais, duas vítimas alegaram que, durante as sessões de massagem modeladora, o homem passou a mão nas partes íntimas delas, chegando a introduzir o dedo na vagina. De acordo a advogada das vítimas, Talita Arcanjo, além de usar o cargo de massagista, o suspeito ainda se declarava homossexual para "ganhar a confiança" das clientes.

Ainda conforme a advogada, as mulheres nunca autorizaram massagens íntimas, apenas optaram pelo serviço do tipo modelador.

(Instagram / Reprodução)

(Instagram / Reprodução)

Uma das mulheres contou que enfrentou dois momentos de assédio sexual. No primeiro, em 2018, estranhou a quantidade de óleo que o suspeito usou na massagem e o quão próximo de suas partes íntimas ele estava passando a mão. Já em 2020, quando trabalhava como produtora de conteúdo para redes sociais, a vítima contou que aceitou uma parceria com o massagista e que, durante a sessão, ele colocou a mão debaixo de seu biquíni e tocou a vagina dela.

No boletim de ocorrência aberto por essa vítima, ela disse para o suspeito que tinha que sair, mas ele insistiu em finalizar a massagem com ela de bruços. Nesse momento, a mulher afirma que ele introduziu o dedo em sua vagina e, após ser questionado, o massagista afirmou que sabia que ela havia sofrido traumas na infância e que gostaria de "destravá-la sexualmente", o que o deixaria "muito feliz se pudesse curá-la".

Mais vítimas
Segundo Talita Arcanjo, cerca de 10 mulheres foram vítimas do mesmo homem. Ela conta que um quarto e um quinto inquéritos estão em andamento e devem ser finalizados ainda esta semana.

A advogada explicou que as demais vítimas ainda estão muito receosas em fazer as denúncias oficiais na Polícia Civil. "O que nós queremos é que, com a visibilidade que o caso está ganhando na mídia, mais meninas sejam encorajadas a denunciar".  

Leia Mais

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por