Muitos podem achar bobagem considerar a forma de preparo para avaliar e, então, escolher o tipo de café que será degustado. Engana-se quem pensa desta forma! Especialistas no assunto garantem: cada método proporciona um resultado e uma experiência diferentes com a segunda bebida mais consumida pelos brasileiros (só perde para a água).

“Cada um tem um porquê de existir e ressalta uma característica distinta do grão, potencializando doçura, acidez ou melhorando a finalização na boca, por exemplo”, justifica Felipe Brazza. 

Sócio-proprietário do Café das Amoras e do Copo Café, em BH, o barista vai disputar o título de campeão brasileiro de preparo de café filtrado na Semana Internacional do Café – de 20 a 22 de novembro, na capital. O vencedor representará o Brasil numa feira internacional.

Expert no assunto, Felipe explica que a experiência do cafezinho perfeito não deve se resumir à escolha do método, mas reunir fatores que vão da moagem, passando pela temperatura da água até chegar ao tempo em que ficará em contato com o grão. “Não é frescura. É técnica!”, avisa. 

Dentre outros cuidados fundamentais para garantir uma boa experiência diante de uma xícara de café, o especialista explica, por exemplo, a equação entre a moagem escolhida e o método utilizado. “Os de grão menor têm maior superfície de contato e devem, portanto, ser submetidos mais ligeiramente à ação da água. O contrário vale para os grãos mais grossos, que devem ser infusionados por mais tempo”, detalha. 

Ficar de olho na temperatura da água também faz toda diferença, acrescenta Daniel Coli, especialista da Oficina do Espresso, também em BH. A dica dele é, após a fervura, esperar de 30 a 60 segundos para começar o “ataque”. 

“Não se deve atacar o café (jogar a água no pó) com uma água excessivamente quente. Em BH, o ponto de ebulição é entre 96,4°C e 96,7°C”, ensina. 

Café

Clique para salvar ou ampliar

Confira alguns mitos e verdades sobre o café, conforme o barista Daniel Coli, especialista da Oficina do Espresso, em Belo Horizonte.

  • Qualquer água serve para fazer café. 

MITO. "É preciso levar em consideração que podem haver sabores residuais de substâncias como o cloro. Mesmo porque 97% a 98% de uma xícara de café são compostos por água. Águas com muito cloro podem destacar acidez excessivamente, tornando a bebida desagradável ao paladar. Já as com concentração elevada de sais minerais, muito calcárias, por exemplo, podem dificultar a extração dos óleos essenciais. É preciso uma boa filtragem". 

  • Cafés comerciais, como os que são vendidos em supermercados, têm qualidade inferior aos especiais. 

VERDADE. "Cafés classificados como "tradicionais" podem apresentar até 20% de defeitos, como impurezas e problemas na formação dos grãos. Para esconder esses defeitos, os grãos são torrados excessivamente, conferindo um amargor desagradável à bebida. O mesmo vale para os extra-fortes, que nada mais são do que cafés ainda mais torrados. Usa-se pouco insumo para preparar grande volume de bebida". 

  • Os grãos de café precisam ser muito brilhantes. 

MITO. "Grãos muito brilhantes foram submetidos a temperaturas muito altas por muito tempo, ou seja, foram torrados demais, levando os óleos essenciais, que deveria estar no núcleo do grão, para a superfície dele. Isso destrói as características sensoriais do café, antes mesmo de ser preparado". 

  • Café deve ser guardado na geladeira. 

EM PARTES. "O café é uma bebida altamente oxidável, que deve ser conservada ao abrigo de luz e ter o mínimo contato possível com o oxigênio. Vale a pena guardá-lo na geladeira, desde que esteja na embalagem original valvulada, que permite a saída dos gases, mas não a entrada". 

  • Cafés devem ser tomados sem açúcar. 

MITO. "Não existe jeito certo de tomar café. O jeito certo é o que te deixa mais feliz. Entretanto, um café especial bem tirado não precisa de açúcar. Sempre recomendo que a pessoa dê os dois primeiros goles, independentemente do café que seja, e adoce em seguida para ter a percepção da bebida ao natural. O cérebro criará uma memória sensorial e o mais interessante é que, a partir de então, a pessoa vai querer cada vez menos açúcar".

Dicas

Mora em BH, mas fica na dúvida sempre que quer tomar um café fora de casa? A influenciadora Isabela Lapa, do blog Coisas de Mineiro, te ajuda a escolher o local falando sobre alguns dos estabelecimentos preferidos dela. Confira! 

Leia mais:

Do bule ao prato: queridinho dos brasileiros, café é 'tempero' de pratos doces e salgados

Tão nobre quanto ouro: feita por experts, classificação de café leva em conta 10 quesitos

Café mineiro, padrão holandês: selo estadual conferido a produtores tem equivalência internacional