Ao apresentar nesta quarta-feira (6) o relatório anual ao plenário do Conselho de Direitos Humanos da na Organização das Nações Unidas em Genebra, a alta comissária para Direitos Humanos, Michelle Bachelet, concentrou as atenções nas crises que atingem a Venezuela e Nicarágua. Também mencionou a situação dos imigrantes nos Estados Unidos.

Segundo Michelle Bachelet, as novas regras norte-americanas limitam o acesso ao asilo e obrigam os solicitantes a esperar no México, ações que preocupam. De acordo com ela, há violações dos direitos civis, na Venezuela, enquanto na Nicarágua, é preciso retomar o diálogo entre o governo Daniel Ortega, a oposição e a sociedade civil.

"A situação na Venezuela ilustra claramente a maneira pela qual as violações dos direitos civis e políticos, incluindo a falta de defesa das liberdades fundamentais e a independência das instituições essenciais, podem acentuar o declínio dos direitos econômicos e sociais."

Michelle Bachelet afirmou que as sanções econômicas "exacerbaram" gerando uma sequência de problemas políticos, econômicos, sociais e institucionais. Para ela, a situação é "alarmante".

Na Nicarágua, Bachelet pediu que o diálogo fosse retomado para tratar dos graves problemas que o país está enfrentando, incluindo "restrições crescentes ao espaço civil, perseguição de vozes dissidentes e campanhas contra a liberdade de imprensa".

Desde abril de 2018, há na Nicarágua protestos contínuos em várias cidades contra o governo Ortega, a falta de liberdade e o desrespeito aos direitos civis. Uma estudante brasileira foi morta no caminho para casa por passar em uma área onde havia manifestações.

*Com informações da agência ONU.

Leia mais:
Campeãs desfilam no Sambódromo do Anhembi nesta sexta-feira
Sindicato denuncia prisão de jornalista americano na Venezuela
Insatisfeitos com chavismo, sindicatos definem greves em reunião com Guaidó

Sem mencionar retorno de opositor, Maduro indica que se manterá no poder