O Palácio das Mangabeiras, imóvel tradicionalmente utilizado como residência pelos governadores de Minas, permanece vazio na atual gestão, já que o governador Romeu Zema, desde o início do mandato, mora de aluguel em uma casa na região da Pampulha. O destino do Palácio deve, portanto, ser cultural. 

De acordo com a assessoria de comunicação do governo de Minas, as conversas neste sentido já foram iniciadas com a Casa Fiat de Cultura. "A equipe do governo está fazendo análises juntamente com a Casa Fiat de Cultura para estudar a possibilidade de realização de um projeto em parceria para uso do Palácio das Mangabeiras", informou. 

A assessoria da Casa Fiat de Cultura informou que a entidade foi procurada pelo governo com uma proposta de parceria para ações culturais no Palácio, mas que a proposta ainda será analisada internamente. 

Zema já havia dito, no início de seu mandato, que zerou o número de empregados do Palácio, que eram 37. Ainda conforme a assessoria do governo, atualmente, não existem mais funcionários dedicados exclusivamente à manutenção e conservação do imóvel e os serviços ali têm sido realizados de forma intercalada e reduzida por funcionários que também atendem o Palácio da Liberdade. Ainda não é possível mensurar os custos com a manutenção do local, segundo o governo. 

Leia mais:
Zema dispensa residência oficial e aluga casa na Pampulha
Zema diz que Minas tem déficit de R$ 30 bilhões, o maior do Brasil
Marcelo Matte vai assumir a secretaria de Cultura e Turismo de Minas Gerais