O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) foi transferido do Hospital das Forças Armadas (HFA) em Brasília, nesta quarta-feira (14), para São Paulo, pois sentiu dores fortes na região abdominal durante a madrugada. 

"Após exames realizados no HFA em Brasília, o Dr. Macedo, médico responsável pelas cirurgias no abdômen do Presidente da República, decorrentes do atentado a faca ocorrido em 2018, constatou uma obstrução intestinal e resolveu levá-lo para São Paulo, onde fará exames complementares para definição da necessidade, ou não, de uma cirurgia de emergência", disse, em nota, a Secretaria Especial de Comunicação Social.

Durante entrevista dada ao fim da sessão da CPI da Pandemia desta quarta, o senador Flávio Bolsonaro (Patriota), filho do mandatário, disse que Bolsonaro fez uma endoscopia pela manhã e acordou “meio grogue” por causa da sedação utilizada no procedimento, mas que os dois conversaram.  O parlamentar também informou que o pai ficará três dias em São Paulo para fazer novos exames e avaliar a necessidade de um procedimento cirúrgico. 

Na última quinta-feira (8), o presidente afirmou que estava com soluços há uma semana, possivelmente pelo medicamento que tomou para fazer uma cirurgia de implante dentário. Nesta quarta, porém, durante a madrugada, foi internado por conta da crise de soluços. 

Nas redes sociais, Jair Bolsonaro relembrou o atentado de 2018 e fez críticas aos partidos da oposição."Mais um desafio, consequência da tentativa de assassinato promovida por antigo filiado ao PSol, braço esquerdo do PT, para impedir a vitória de milhões de brasileiros que queriam mudanças para o Brasil. Um atentado cruel não só contra mim, mas contra a nossa democracia", publicou.

Ainda não se sabe em qual hospital na capital paulista ele ficará internado. O procedimento de 2018 foi feito no Hospital Albert Einstein. 

Leia mais:

CPI da Pandemia: diretora da Precisa diz não haver ilegalidade em negociação da Covaxin
Homem é dopado, agredido, marcado com símbolo nazista na testa e xingado de 'porco, gordo gay'
AEB prevê aumento das exportações e importações e superávit recorde