O clima quente e seco, a estiagem e a vegetação seca em muitas regiões do país fizeram com que os primeiros 22 dias de setembro batessem o recorde de incêndio para um mês. Foram 95.046 pontos de incêndio em todo o Brasil, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), o maior número da série histórica, começada em 1999. Até então, o maior número era de 94.516, registrado em setembro de 2007.

O pesquisador Alberto Setzer, encarregado das pesquisas de monitoramento de queimadas no Inpe, disse que 2017 deve ser o pior dos últimos 15 anos em termos de queimadas. Mas ressalta que o motivo pelo número elevado de incêndios não é apenas o clima, que cria as condições para propagação do fogo. "A responsabilidade pelo início dos incêndios é das pessoas, seja por ação proposital ou descuido, e ela está mais ativa este ano", diz.

No total deste ano, são 185.343 focos de incêndio ao redor do País. A quantidade já supera anos como 2013, 2011, 2009 e 2008. Por enquanto, o ano com maior número de queimadas é 2004, com pouco mais de 270 mil focos. Os Estados com mais queimadas no ano são Pará, com 40.303, Mato Grosso, com 34.731 e Maranhão, com 20.352. Sozinhos, respondem por 51,4% dos focos neste ano.

São Paulo

No Estado de São Paulo, o número de focos também bateu recorde neste mês. Foram 2.478 focos - o máximo era de 1.674, em 2010. No Estado, as 10 principais cidades com focos de incêndio neste ano foram Ituverava, Morro Agudo, Tambaú, Olímpia, Pereira Barreto, Atibaia, Ribeirão Preto, Casa Branca, Mogi das Cruzes e Araras.

Leia mais:
Número de cidades mineiras em racionamento cresce quase 50% em apenas dez dias
Grande BH enfrenta pior seca dos últimos 100 anos, afirma Copasa
Seca afeta quase um milhão de pessoas em Minas, aponta balanço
BH completa 100 dias sem chuva; clima seco propicia queimadas e cenário devastador nas áreas verdes