A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) entrega, nesta terça-feira (14), 1,7 milhão de doses da vacina Oxford/AstraZeneca ao Programa Nacional de Imunizações (PNI), após duas semanas sem liberar remessas. Parte dessas doses, 50 mil imunizantes, ficará no estado do Rio de Janeiro, e o restante seguirá para o Ministério da Saúde, em Brasília.
 
Segundo a fundação, o maior intervalo entre as remessas ocorreu porque o ingrediente farmacêutico ativo (IFA), importado para a fabricação da vacina, só chegou ao país no fim do mês passado.

Fiocruz

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) entrega, nesta terça-feira (14), 1,7 milhão de doses da vacina Oxford/AstraZeneca ao Programa Nacional de Imunizações (PNI), após duas semanas sem liberar remessas

Com o atraso na entrega, alguns estados, como São Paulo, relataram a falta da AstraZeneca para aplicação de segunda dose. Belo Horizonte, que enfrentou o mesmo problema, deve receber novas doses no próximo fim de semana.
 
Com este lote, a Fiocruz contabiliza a entrega de 93,6 milhões de doses ao PNI, sendo 89,6 milhões produzidas no Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos) e 4 milhões importadas pelo Instituto Serum, na Índia.
 
Está prevista para esta semana a entrega de uma nova remessa de imunizantes. Assim, o número de doses produzidas no Brasil deve ultrapassar a marca de 100 milhões, contando com as vacinas já entregues e as que ainda estão em produção e controle de qualidade.
 
A previsão foi apresentada pelo gerente do projeto de implementação da vacina Covid-19 em Bio-Manguinhos, Fábio Henrique Gonçalez, durante a Jornada Nacional de Imunizações.

Leia mais:
É provável que Minas já tenha transmissão comunitária da variante Mu do coronavírus, diz secretário
Mais 113 mil doses da vacina da Pfizer devem chegar a Minas nesta quarta, diz secretário de saúde