A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da BHTrans aprovou, nesta quarta-feira (16), requerimentos para que três donos de empresas de ônibus da capital sejam intimados a prestar depoimento na condição de investigados.

Em depoimento na semana passada, o ex-presidente da empresa que gerencia o transporte e trânsito na metrópole, Célio Bouzada, disse aos vereadores que a retirada dos trocadores dos coletivos na cidade teria ocorrido em retaliação das empresas à falta de reajuste da tarifa.

“Na fala do senhor Célio eles passaram a retaliar (o Executivo) e então serão intimados como investigados”, explicou o vereador Gabriel Azevedo (sem partido), presidente da comissão.

A redução indevida da frota de veículos e o descumprimento de normas de lotação e de horários também serão alguns dos assuntos tratados nas oitivas, marcada para 14 de julho.

A CPI foi criada para apurar a prestação do serviço de transporte público coletivo de passageiros na capital, apontando omissão da BHTrans quanto à fiscalização do serviço prestado pelas concessionárias, principalmente durante a pandemia do novo coronavírus.

Nesta quarta-feira (16) foram ouvidas entidades ligadas ao transporte público na cidade como o Movimento Nossa BH, BH em Ciclo, Associação Brasil Legal e Movimento Tarifa Zero.

Leia Mais:
Cobradores foram retirados em 'retaliação' por falta de reajuste da tarifa, diz ex-chefe da BHTrans
Na capital e no Estado, prefeito e governador tornam-se alvo preferido de parlamentares nas CPIs

Passagem de ônibus em BH não terá reajuste; empresas ameaçam cortar viagens