Alguns importantes indicadores da indústria nacional e do Estado continuam bem abaixo do ideal, em meio à crise da Covid-19. A confiança do empresariado mineiro do setor, por exemplo, subiu em maio e junho, atingindo 62,4 pontos (em uma escala de 100, na qual 50 divide pessimismo e otimismo), mas ainda não recuperou os mais de 10 pontos perdidos entre dezembro de 2020 e abril deste ano.

Já a inflação do setor produtivo até vem caindo, mas ainda é tida como “estratosférica”, acumulando 35% nos últimos 12 meses (ante pouco mais de 8% da inflação geral). Isso sem falar no desemprego no país, que golpeia renda e consumo das famílias e, por consequência, toda a economia - em maio, indicador manteve o recorde do primeiro trimestre, atingindo 14,7%, ou 14,8 milhões de trabalhadores.

Para ajudar a melhorar tais números o mais depressa possível, enquanto registra-se evolução na vacinação contra o coronavírus, a Fiemg e o Senai inauguraram ontem, em Contagem, na Grande BH, com a presença do governador Romeu Zema (Novo) e outras autoridades, o Centro de Treinamento e Desenvolvimento da Indústria 4.0, o primeiro do tipo no Estado a disponibilizar tecnologias como as de automação, computação na nuvem e sistemas ciber-físicos.

Ao custo de R$ 25 milhões, o Centro é parte de investimento bem mais amplo, superior a R$ 220 milhões, realizado pela Fiemg e pelo Senai nos últimos meses e voltado a criar e aprimorar unidades de ensino e pesquisa sobre tecnologia industrial em Minas, formando de mão de obra cada vez mais qualificada. 

Iniciativa vai estimular as indústrias mineiras a entrarem em nova era de maior produtividade com menores custos

É o caso também do Centro de Inovação e Tecnologia (CIT), mantido pelo Senai e a Fiemg no Horto, região Leste da capital, onde atualmente 72 projetos em desenvolvimento, em parceria com diversas empresas e instituições (caso da UFMG), e que só este ano recebe mais de R$ 10 milhões. 

“O Centro 4.0 de Contagem, integrado ao CIT, da capital, vem para estimular as indústrias mineiras a entrarem numa nova era de maior produtividade, de menores custos”, afirma o gestor do Senai em Minas, o empresário Teodomiro Diniz Camargos. “É um caminho inexorável para a indústria alcançar o patamar de competitividade da indústria mundial”, completou.

Interior

Na solenidade de inauguração, o presidente da Fiemg, Flávio Roscoe, destacou que o Centro 4.0 será ligado a unidades com o mesmo propósito em dez regiões de Minas, nas quais alunos poderão fazer as primeiras etapas do aprendizado das novas tecnologias, completando a formação em Contagem. “Nosso entendimento é de que teremos uma demanda crescente por esse tipo profissional, à medida que muitas indústrias devem ir colocando segmentos da sua produção no 4.0”, afirmou.

Já para o governador Zema, a criação da unidade alia-se à “principal pauta do governo”, que é a criação de postos de trabalho. “Temos trabalhado incansavelmente para que Minas seja o melhor Estado do Brasil para se investir e, consequentemente, gerar empregos”, afirmou, lembrando que, em 30 meses de gestão, foram atraídos R$ 120 bilhões de recursos para projetos da iniciativa privada.

Leia também:

Assim como indústria, comércio e serviços reduzem pessimismo em junho, mas quadro ainda é de cautela